Bolsonarismo, um fenômeno fluminense?

Um dos principais conteúdos da visão de mundo do bolsonarismo, de grande efeito eleitoral,  é a segurança pessoal e patrimonial, com a proposição do direito de auto-defesa, mediante o armamento pessoal. 
Considera que a segurança pública, provida pelo Estado é insuficiente para garantir a segurança individual.
Minimiza os riscos de desvios, com chacinas, como tem ocorrido frequentemente nos Estados Unidos da América, do eventual aumento de assaltos à mão armada, e de assassinato de inocentes.
Utilizando a visão militar sobre a guerra, considera " danos colaterais".
Essa visão é combatida pelos pacifistas e progressistas, mas parece estar ganhando adeptos, em função da crescente violência, tanto a urbana, como a rural.

Talvez por esse motivo, o bolsonarismo tem origem e forte evolução no Rio de Janeiro, com a ampliação sucessiva do eleitorado, que elegeu não só Jair Bolsonaro, deputado federal, sucessivas vezes, um dos seus filhos, Flávio, como deputado estadual e ainda elegeu, em 2016, o seu filho Carlos, como o vereador mais votado do Rio de Janeiro. Um terceiro filho, Eduardo é deputado federal por São Paulo.

Eleito como vereador no Rio de Janeiro, em 1989, conquistou a cadeira de deputado federal, pela primeira vez em 1991 e foi reeleito sucessivamente, cumprindo - atualmente - o seu sétimo mandato. 

Nas eleições de 2014, foi o deputado federal  mais votado do estado do Rio de Janeiro com 464 mil votos, correspondendo a 6% do eleitorado fluminense. 262 mil foram no município do Rio de Janeiro, representando 56% dos seus votos. Ele é tipicamente um político carioca.
Superou outros campeões de votos, como Clarissa Garotinho e Eduardo Cunha.

As pesquisas estaduais indicam uma grande vantagem de Bolsonaro para a presidência e de seu filho para o Senado. O bolsonarismo domina o eleitorado fluminense e mais concentradamente o eleitorado carioca.

Para avaliar a sua efetiva força política e eleitoral, é preciso entender melhor as razões da sua força no Rio de Janeiro e das "contaminações" do seu "virus" para outras comunidades dentro do Brasil.

(cont)








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Percepção correta, personagens não

Em 24 de janeiro de 2018, colocamos esta chamada de atenção para a questão estratégica no processo eleitoral. Na ocasião Bolsonaro não hav...