quarta-feira, 27 de junho de 2018

O medo dos pragmáticos

Os candidatos a deputado federal, pragmáticos, tem como objetivo, acima de tudo, "se eleger".  E os que já o conseguiram anteriormente querem serem reeleitos. 
Para tal sabem que precisam conquistar o voto dos eleitores. Precisam manter ou ampliar os votos do seus redutos eleitorais, o que poderá não ser suficiente para a sua reeleição. Precisam de votos em outras comunidades mediante acordos locais e apoio da máquina partidária ou governamental.
Em 2018, a tendência é manter os mesmos mecanismos, porém reduzidos, em função das restrições de recursos. A preocupação é cortar custos e poucos terão capacidade de inovar.


Os pragmáticos - com toda razão - estão preocupados e com medo de não serem reeleitos, com a carência de recursos oficiais para as suas campanhas. Irão apelar para mecanismos ilícitos, assumindo os riscos criminais e eleitorais? Ou serão superados pelos programáticos com mecanismos inovadores para tirar os votos dos pragmáticos?

quarta-feira, 20 de junho de 2018

A dianteira do indefinido

Nenhum candidato se elege. Ele é sempre eleito. Não é ele - o candidato - que decide se quer ou não se eleger. O único poder efetivo, que depende só dele é o seu voto: um único voto. 

Pelo menos um terço dos eleitores não sabe em quem vai votar ou até mesmo se vai votar. 

Com as indefinições dos candidatos dos "principais lados" do eleitorado, a vitória será do "centrão". Não do centro ideológico, mas do centrão fisiológico.

(ver o artigo completo clicando na coluna à direita)

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Programáticos x Pragmáticos

Em que pesem as vontades e campanhas das elites, o eleitorado segue na tendência oposta: vota mais nos pragmáticos do que nos programáticos. 
Os programáticos precisam mudar as suas estratégias para vencer os pragmáticos. Com os mesmos discursos anti-reeleição serão derrotados por 7x1.
Diferença entre  2014 e 2010
CategoriasQtde PartidosQt Votos Válidos% VálidosQtde  eleitos% Eleitos Variação qtde eleitos
TRIO - G30-5.341.974-5,04-27-5,26-12,6%
CENTRÃO34.692.5735,10305,8520,0%
MÉDIOS0-5.187.471-5,11-21-4,09-20,4%
EVANGÉLICOS02.128.9622,24112,1447,8%
NANICOS22.673.4032,8071,3631,8%
TOTAL5-1.034.507-0,0100,000,0%
fonte original: TSE - elaboração própria


Como virar o jogo?

domingo, 17 de junho de 2018

Centrão e não o centro

Quem quer que venha a ser o novo Presidente da República, dependerá de negociações - nem sempre republicanas - com o principal bloco ou categoria, formado por um conjunto de partidos pragmáticos. 
Muitos ainda confundem o programático com o pragmático. O chamado "centrão" é, essencialmente, pragmático.
A sua base eleitoral e força política decorre da visão limitada dos eleitores, cuja visão de mundo só vai até "onde a vista alcança". A visão de interesse público não vai além do interesse comunitário ou corporativo. 
O candidato ao legislativo assume o papel de despachante desses interesses ou representante dessas visões parciais e, com isso, conquistam "coração ou mente" dos beneficiados ou a serem beneficiados. E o voto deles.
Enquanto o programático tenta vender idéias e propostas de visões amplas que nem sempre são compreendidas pelo eleitor, o pragmático promete benefícios - a curto prazo - para melhorar a vida das pessoas dos seus "redutos eleitorais". 

O novo Presidente da República não será do centro. Será o apoiado pelo "centrão". 

sexta-feira, 15 de junho de 2018

E se o Brasil ganha a Copa do Mundo, 2018?

Vai ser como 1954? Uma seleção desacreditada - apesar do esforço da mídia brasileira - que surpreende: contrariando as expectativas conquista a taça em 15 de julho.
Vai acabar o mau-humor do brasileiro. Mas por quanto tempo?
Durará pelo menos dois meses, influindo nas eleições? 
A maioria do povo brasileiro não quer nem pensar, porque a primeira condição não vai acontecer. 
Mas sempre pode aparecer um "cisne negro". Isto é, o inesperado. 
Se a seleção da CBF não ganha, nada muda. Está dentro do esperado. Estamos preparados. Mas se o Brasil ganha? Muda tudo, ou nada muda? 
Não estamos preparados para essa hipótese inusitada. 

domingo, 10 de junho de 2018

Um novo amor: condição para a renovação política

Para que se efetive uma ampla renovação do Congresso Nacional duas condições são essenciais:
Mal comparando, seria uma situação de fim de namoro ou casamento em que uma parte decepcionada com o(a) parceiro(a) se separa, e tem esperança de encontrar um novo amor. 
Se esse novo não aparecer, o eleitor ou eleitora, poderá voltar ao relacionamento anterior. Poderá perdoar as mazelas e até traições. 

A pergunta que não quer se calar é: quais são os discursos autênticos que o novato pode apresentar para sensibilizar suficientemente os vulneráveis, para que o eleitor vote nele e não nos conhecidos veteranos? 

Ou na comparação, como o novato pode ser o novo amor do eleitor ou eleitora que se separou, decepcionado com o(a) parceiro(a)?

quarta-feira, 6 de junho de 2018

A renovação pela opinião publicada

É urgente e já atrasada a definição de discursos mais assertivos dos candidatos novatos, para conquistar a opinião publicada. 
Não bastam posições genéricas, como ser a favor da privatização das estatais, educação e saúde de qualidade, etc.
As suas efetivas preocupações , que afetam o seu dia a dia são os congestionamentos, os custos do ensino privado, assim como a regulação e preços dos planos privados.
A opinião publicada é a favor da solução dos problemas nacionais, mas desde que essas resolvam o seu problema. 
O posicionamento em relação à mobilidade urbana é a favor de um transporte coletivo público de qualidade. 
A tal qualidade serve de justificativa para manter o uso do automóvel. 
O discurso é um a ação é outra. O que irá prevalecer para o eleitor da opinião publicada, na hora de apertar o botão? 

Um novo amor!

Em 10/06/2018 publicamos este "post" Para que se efetive uma ampla renovação do Congresso Nacional duas condições são essenciais...