Bolsonaro, um fenômeno nacional?

Há uma divisão clássica da sociedade, entre maioria silenciosa e minorias barulhentas. 
A partir das manifestações de maio de 1968, em Paris, desenvolveu-se no mundo todo, minorias barulhentas, anti-conservadoras, defensoras do politicamente correto, do meio ambiente, do clima do mundo, das "nações indígenas", e outras bandeiras. 
A maioria seguiu em silêncio e essa minoria foi crescendo, conquistando a mídia e gerando a impressão de que estariam próximos a se tornar maioria.
Mas outra minoria resolveu se manifestar, contra os progressistas. São caracterizados como movimentos de direita, cada vez mais barulhentos.
Cada lado busca conquistar a maioria silenciosa.
No Brasil, a direita barulhenta agora tem cara e nome: chama-se bolsonarismo, representada pelo seu líder absoluto: Jair Bolsonaro.
Vem avançando sobre a maioria silenciosa e tende mudar o confronto eleitoral de 2018. Não será uma disputa entre esquerda e direita, mas entre duas minorias barulhentas: o "progressismo" representado por Marina Silva e o "conservadorismo", com Jair Bolsonaro. E, um espaço vazio, da maioria silenciosa.

(cont)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Percepção correta, personagens não

Em 24 de janeiro de 2018, colocamos esta chamada de atenção para a questão estratégica no processo eleitoral. Na ocasião Bolsonaro não hav...