Cadeia produtiva da agricultura familiar

A produção agropecuária, tanto a familiar como a empresarial/patronal, tem três destinações básicas: exportações, indústria e consumo "in natura" ou "semi-beneficiado".

Nas exportações o principal comprador é uma trading, na maior parte dos casos multinacionais. No caso de grãos, os maiores produtos da agricultura brasileira, a comercialização internacional é dominada por um pequeno grupo de tradings tradicionais (ADM, Bunge, Cargill e Dreyfuss) agora enfrentando a concorrência da chinesas Cofco. As tradings japonesas não conseguiram se firmar no setor. Há ainda alguns grupos nacionais, como a Maggi, Algar e outras.

Os produtores, principalmente as de menor porte, se organizam em cooperativas para melhorar as suas condições de comercialização, mas acabam tendo que vender para as tradings, que tem ramificações internacionais.

O comprador industrial é o que beneficia ou transforma dos alimentos, segundo três categorias principais:

  • os beneficiados para exportação;
  • os beneficiados para integrar cadeias produtivas com fases nacionais, mesmo que os produtos subsequentes sejam exportados.
  • os transformados em produtos alimentícios industrializados, na maior parte para o consumo nacional. O Brasil é um pequeno exportador de produtos alimenticios prontos (ou semi-prontos) para o consumo final das pessoas. 

Entre os beneficiados para exportação, os mais importantes são o farelo de soja, que gera concomitantemente, o óleo de soja, o açúcar, etanol e o suco de laranja.

Na segunda categoria está o milho, transformado em ração para alimentação de aves e suinos. Os quais são em grande parte exportações. Da mesma forma o óleo de soja é usado para produção de biodiesel, que em parte é exportado. 

Na terceira categoria a  própria soja é usada como ingrediente para a produção de margarinas, biscoitos e outros produtos que requerem a participação de gorduras na sua produção.

No caso de lácteos, a principal transformação industrial (que pode também ser artesanal) é a produção de iogurtes, manteigas e queijos. 

A destinação ao mercado interno, "in natura", ou beneficiado, sem alteração da natureza do produto (lavagem, separação/ classificação, embalamento, podendo ser considerada a seguinte divisão:

  • mercado local ou regional, onde o produtor leva e vende diretamente o seu produto em um mercado aberto (feira ou mercado)
  • mercado atacadista, onde um intermediário compra o produto agrícola do produtor e o transporta para revenda em Centrais de Abastecimento, supermercados e outras lojas urbanas de comercialização de produtos agrícolas "in natura".
  • mercado final, em que o comprador é uma rede de supermercado ou lojas, que negociam diretamente com o produtor.


Vários produtos agrícolas e derivados da pecuária, estão deixando se serem vendidos a granel, sem beneficiamento, para serem praticamente industrializados, por grandes empresas, mediante seleção, lavagem ou similar, e embalamento, como vem ocorrendo com o arroz, feijão, leite e outros. 

(cont)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Trabalhador não está votando em trabalhador

A partir da constatação numérica de queda da bancada sindical no Congresso Nacional, o que resultou na derrota da visão dos trabalhadores na...