Pular para o conteúdo principal

O eleitor evagélico (2)

O eleitor evangélico é predominante pobre, de baixa escolaridade, morador das periferias das cidades, que busca o acolhimento da igreja para atender às suas necessidades ou angústias. 
Tais condições limitam a sua visão de mundo, restrita ao ambiente em que vivem. A igreja é um campo para poder ampliar a sua visão de mundo, no relacionamento com outras pessoas, mas em geral, nas mesmas condições, com necessidades, interesses e angústias comuns.
Já a ampliação pelo conhecimento, é direcionado para doutrinação religiosa, incutindo a visão de mundo, segundo a interpretação do pastor da biblia.
A visão sócio-cultural é o que está escrito na biblia, mediante a seleção dos versiculos pelo pastor.
Essa doutrinação não deixa o eleitor a ter uma visão maior sobre a política, o papel dos governantes e dos parlamentares.
É uma "presa" caçada pelos candidatos de 3 categorias básicas, cada qual podendo ter mais de um candidato local: o despachante dos interesses comunitários, o ativista de esquerda e o evangélico.
O foco do discurso do despachante é a promessa de melhoria dos serviços públicos. O ativista de esquerda denuncia o capitalismo como o responsável pela situação precária do eleitor e promete lutar contra ela e trazer benefícios diretos, como o bolsa familia, ao eleitor. O candidato evangélico promete incorporar as regras bíblicas em leis federais e combater as leis que contriam, segundo a leitura evangélica, os preceitos bíbilicos.
O eleitor pode ser seduzido pelas promessas do despachante, dando maior importância ao acesso aos serviços públicos do que os preceitos bíblicos. Nesse caso poderá destinar o seu voto ao candidato populista que promete trazer a ele os serviços públicos, ainda que não seja evangélico, tampouco tenha o apoio das denominaçõs evangélicas.
Pode ser doutrinado pelas visões ideológicas da "luta de classe" e destinar o seu voto a um candidato de esquerda que o mobliza para a luta, para a conquista dos benefícios aos quais teria direito.
O despachante promete trabalhar para proporcionar ao eleitor um benefício público, como concessão. O ativista de esquerda, parte da visão de que os benefícios, por exemplo a moradia, são um direito inerente  à pessoa, que lhe está sendo subtraido pelo Estado ou pelos "ricos" e tem que ser conquistado ou até "expropriado" pela mobilização popular. 
O candidato evangélico vende a idéia de que a melhoria de vida do fiel, incluindo o acesso a mais e melhores serviços públicos virá, por graça de Deus, associado a um comportamento pessoal do próprio fiel. 
O papel atribuído ao candidato evangélico é de, integrando o poder do Estado, defender condições de sustentação econômica das igrejas e os valores culturais defendida por essas.
Enquanto a pauta principal do despachante é material, na forma de serviços e investimentos públicos, a do ativista de esquerda é de luta, a do candidato evangélico é cultural, de valores humanos e sociais. 


(cont)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…