Pular para o conteúdo principal

Uma história mal contada

O Presidente Jair Bolsonaro, com o receio de uma nova greve dos caminhoneiros, tomou uma decisão intempestiva, mandando a Petrobras suspender o aumento do preço do diesel. Essa intervenção levou a uma perda de 32 bilhões de reais no valor de bolsa da Petrobras. E gerou um clima de desconfiança e de insegurança do mercado. 
Essa é a versão plausível, divulgada pela mídia, aceita de forma generalizada, mas que não "fecha".
Jair Bolsonaro é um ex-militar, cercado de generais, com um ativo sistema de informações, gerido pelo General Augusto Heleno, tido como o principal interlocutor do Presidente, dentro do Palácio do Planalto.
Portanto, as circunstâncias não eram nada inusitadas, ou imprevistas, mas inteiramente monitoradas, tanto do lado da movimentação dos caminhoneiros e empresas de transporte, como do lado do mercado internacional de petróleo. A variação do preço do óleo diesel, nas refinarias, estava dentro de um calendário pré-estabelecido. 
Lideranças de caminhoneiros que tiveram o apoio do então deputado Jair Bolsonaro em maio de 2018, tentaram uma mobilização para uma nova greve no dia 30 de março. Que não ocorreu.
A primeira hipótese da frustração da greve - a mais plausível e de pleno conhecimento do Sistema Presidencial de Informações - é que eles não conseguiram a suficiente adesão da classe. Se deflagrassem a greve, com a expectativa de repetir a repercussão de maio / junho de 2018, seria um grande fiasco e perderiam tudo o que conseguiram com a greve anterior.
Para evitar o fracasso suspenderam a greve, alegando negociações com o Governo para o atendimento das suas reivindicações, incluindo o maior prazo para os reajustes do preço do diesel, acertado, nos acordos anteriores, em 15 dias.
Se houve negociações e acordo, não foram com os escalões superiores do Governo. Ou conseguiram fazer, na total "surdina", com a mídia "comendo mosca". Nenhum jornalista conseguiu detetar reuniões secretas entre os caminhoneiros e o Governo, apesar da relevância e impacto potencial das mesmas na vida das pessoas. 
Se houve um acordo, através de um dos lideres dos caminhoneiros, entre muitos, com o Governo, para ampliar o prazo dos reajustes para 30 dias, não contaram para o Presidente Bolsonaro. Ou este sabia e não combinou com a Petrobras. 
Ou seja, o Governo sabia que o risco de uma nova ampla greve dos caminhoneiros tinha sido abortada, por falta de adesão. Não precisou o Governo se preparar para contingenciar as paralisações pontuais, evitando a sua expansão.
O contingenciamento era simples: "os caminhoneiros dispostos a greve, poderiam fazê-lo. Mas não poderiam fechar as estradas, nem fazer piquetes para evitar a circulação daqueles que não quisessem aderir". Bastaria mobilizar a Polícia Rodoviária, multar os infratores e desimpedir os bloqueios. Se necessário poderiam recorrer ao Exército. Era só o Governo, dominado pelos militares querer. 
Se havia possibilidade de uma greve do caminhoneiros era porque o Governo queria ou deixaria acontecer.
Segundo um dos líderes dos caminhoneiros "o Jair está conosco". Em 2018 o Jair estava contra o Governo. Contra quem está em 2019? Contra o Governo dele?
O "Jair" sabia previamente do aumento do preço do diesel. Só não sabia de quanto seria. Mas poderia ter usado a autoridade de Presidente para interferir previamente. Se não o fez e se fez de surpreendido, porque o fez? 
Foi mesmo por incompetência, por falta de capacidade de governar, ou teve outras intenções. Quais seriam essas? Aparentemente, enfraquecer Paulo Guedes, que nem foi consultado. 
Estaria Jair Bolsonaro dispensando o Posto Ipiranga?

(cont) 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…