quinta-feira, 12 de abril de 2018

Carlismo e wagnerismo

Análise, ainda que superficial, sobre o fenômeno do "carlismo" na Bahia, indica que o mesmo vai muito além da sua principal figura: Antonio Carlos Magalhães. Pelas suas ligações com o regime militar, ficou marcado com um processo político de direita e combatido pela esquerda.
O "carlismo" como o "sarneyzismo" nada mais são do que o intenso uso das máquinas públicas para influenciar as eleições, através da cooptação - com verbas e políticas públicas - as lideranças locais. No caso da Bahia, ainda amplamente dominadas pelo coronelismo e oligarquias locais. 
O "carlismo" foi substituído pelo "wagnerismo", o que levou à eleição de Rui Costa, ao Governo da Bahia, de Otto Alencar ao Senado, este derrotando Geddel Vieira Lima, e uma forte contribuição para a consolidação do "centrão" na Câmara Federal. A associação do PP e do PSD com os Governos, qualquer que seja, reforça esse processo - qualquer que seja a denominação - de uso não republicano das máquinas públicas. 
O que irá dificultar em muito a renovação na Câmara dos Deputados. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moradia da miserabilidade

Moradia não se resume a um teto para viver (ou sobreviver). E um local de repouso do trabalhador e para abrigar a sua família. O responsáv...