A primeira semana de maio e as perspectivas dos cenários 2019 (2)

Isenção aos atiradores contra invasores

Jair Bolsonaro abriu mais uma frente de atrito, com reflexos futuros na sua imagem e governabilidade.
Para atender a uma reivindicação recorrente de fazendeiros, durante os governos do PT, em mais um dos rompantes defendeu a anista aos que atirassem contra invasores de suas propriedades rurais. Aproveitando a abertura do Agrishow, a maior feira do agronegócio, buscando cumprir promessa de campanha anunciou o encaminhamento de projeto, que não está sendo preparado pela área competente do Governo: o Ministério da Justiça. Sérgio Moro, mais uma vez surpreendido pela manifestação presidencial, reagiu com a afirmação de que é prematura a discussão, não escondendo o desconforto.
Bolsonaro assumiu diversos compromissos com grupos específicos de apoiadores, mas teve como um dos pilares gerais da sua eleição, voltado para um eleitorado mais amplo, o combate à corrupção. E para assegurar o apoio popular levou para o Governo o Juiz Sérgio Moro. Diligentemente ele preparou um projeto de combate à corrupção e ao crime organizado, mas por pressão do Congresso e aceitação do Presidente está engavetado. Além da desindicação de uma suplente para um Conselho que a mídia - açulado pelos ativistas de esquerda -  tentou transformar num grande fator de desprestígio do Ministro, o Presidente também não protege o Ministro Moro, contra as investidas de parlamentares que não querem o COAF, sobre o controle daquele. Provavelmente porque não interessa ao Presidente, pelo antecedente daquele órgão em investigar Fabricio Queiroz e seu filho Flávio Bolsonaro. 
O enfraquecimento de Sérgio Moro, dentro do Governo pode ter repercussões altamente negativas no apoio popular a Jair Bolsonaro. Poderá ser interpretado por grande parte do eleitorado que votou em Bolsonaro, como a vitória da corrupção sobre o Lava-Jato. E afetar a imagem de combatente da corrupção. 
Isso levará ao fortalecimento do cenário "Jânio ou Dilma".

(cont)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem vai mandar no Estado Brasileiro?

Os favoráveis ao decreto que flexibilizou o porte e posse de armas, o defendem em função do seu conteúdo, prometido ao longo da campanha ...