Pular para o conteúdo principal

Novas Circunstâncias no terceiro mês

O terceiro mês do Governo começou com o Carnaval, a grande festa popular, cada vez agregando mais pessoas nas ruas e justificando a paralisação das atividades legislativas. 
Dentro do contexto de manifestações espontâneas e de mera diversão ocorrem manifestações políticas, algumas previamente organizadas, tanto de louvou ao Governo, como de crítica. A grande mídia, enfatiza mais a critica. Apesar dos prolongamentos dos festejos, aquelas se diluem a partir da quarta-feira de cinzas e se perdem na quaresma.
Uma circunstância marginal não espontânea foi transformada em um grande fato, em função da reação desproporcional do Presidente, reverberada pela mídia, tanto a digital como a tradicional.
O episódio tem importância para o desenho dos cenários futuros, uma vez que Bolsonaro mostrou "capacidade" de transformar qualquer evento que contrarie os seus princípios e valores, em grande atração pública momentânea, capaz de desviar a atenção para outras questões. 
Estará sendo constantemente usado, seja por reações intempestivas do Presidente, como por reações planejadas e montadas. A do Carnaval estaria no primeiro caso. Já a subsequente de ataque à mídia, a partir de uma orquestração de "fake news" seria do segundo. 

Prestes a completar um ano do assassinato da então pouco conhecida vereadora Marielle Franco, transformada politicamente, pelo campo da esquerda, na maior falha dos Governos conservadores (Temer e Bolsonaro), com indícios de acobertamento, a policia do Rio de Janeiro foi obrigada a trazer a público, as suas investigações  e prender os dois suspeitos de praticar o crime. Mas não consegue encerrar o caso. A opinião pública quer saber quem foram os mandantes, se que os há. Há muito indícios que sim. 
O fato é que o único evento de grande repercussão pública que a oposição tem para fustigar o Governo é o caso Marielle Franco. O que provocará desdobramentos. 

Antes do término da quinzena, mais uma tragédia abalou o pais, trazendo à tona, uma grande controvérsia: o armamento da população.

Um jovem, adepto dos "games" de ataque, com desejo de vingança, atraindo um seguidor, maior de idade, se mune de todas as armas, como nos games, sai com propósito de matar o tio e, provavelmente, a coordenadora psicológica da escola que frequentou. As razões vão ser esclarecidas. No caminho mataram e feriram vários alunos.
A difusão dos jogos, a atração deles e a influência sobre o comportamento real dos jogadores ampliou os riscos de  ações criminosas, de vitimas coletivas, por desvios psicológicos. 
As reações são controversas: de um lado os que defendem o armamento dos professores, que poderiam ter reagido "a bala", matado os agressores e evitado a chacina.
De outro os que defendem o desarmamento para evitar que esses jovens transtornados se transformem em assassinos de massas.
Quaisquer que sejam as medidas governamentais a respeito, a tendência é de repetição de novos ataques.
(cont)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…