Pular para o conteúdo principal

O que quer a ala militar do Governo?

Com o confronto direto com o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, acusando-o de representar a "velha política" associada à sua insistência em manter a comunicação direta com o "povo" através da rede social, Jair Bolsonaro estaria preparando, com apoio da ala militar do Governo, um "auto-golpe", promovendo o fechamento do Congresso Nacional. Um movimento caracterizado pelos cientistas políticos, como "bonapartismo".
Com isso implantaria, sem as concessões aos velhos políticos, as medidas que entende serem melhores para o Brasil. Sem resistência popular, ou até com um amplo apoio popular.
A questão é se a ala militar do Governo apoiaria essa tentativa do ex-capitão Jair Bolsonaro e se essa ala contaria com o pleno apoio das Forças Armadas.
Uma pergunta que ainda não quer calar é o que quer a ala militar, além de evitar um eventual retorno do PT ao poder?
Os militares que vieram a formar o núcleo duro do Governo Bolsonaro, vinham demonstrando à muito tempo a sua insatisfação com o Governo petista. Apoiaram, ainda que não ostensivamente o impeachment da ex-Presidente Dilma, evitando uma imagem de "golpe militar". Não viram em Michel Temer condições suficientes para "liquidar de vez" o "entulho petista" e apostaram as fichas em Jair Bolsonaro para tal mister, apesar de conhecer as suas limitações pessoais e as sua tendências de falar "merda". 
Jair Bolsonaro foi eleito, eles assumiram postos chaves. O que estão fazendo no Governo? O que querem fazer?
O que estão fazendo, de visível, ou captado e difundido pela mídia é conter os arroubos do Presidente e evitar que ele implante a sua pauta pessoal, comprometida com os evangélicos ou supostamente determinada por Olavo de Carvalho. Ou transforme a sua veneração a Donald Trump em submissão do Brasil aos propósitos desse. A ala militar já se posicionou e evitou a concessão de uma base americana no Brasil, a intervenção militar na Venezuela. Evitou a transferência imediata da Embaixada Brasileira para Jerusalém, em Israel. Evitou uma "olavisação" completa do Ministério da Educação. São todas medidas de contenção, medidas defensivas, de evitar que o inimigo tome "posições" estratégicas. Mas não definiu objetivo ofensivos. Onde ou aonde querem chegar? O que querem conquistar? Quais são os seus planos de futuro para o Brasil?
Os militares são desenvolvimentistas. Querem e acreditam que o Brasil pode e deve ser uma potência mundial. Entendem que para isso o Brasil precisa ter uma base econômica forte.
O regime militar, estabelecido a partir de 64, tentou sem o esperado sucesso, gerar o "Brasil Potência", mediante ampla atuação do Estado. Com o fracasso da sua empreitada estariam propensos a aceitar a alternativa liberal e democrática.
Mas não apresentaram até agora nenhum plano ou diretriz abrangente. Fora as manifestações do General Mourão, pouco se sabe das ações proativas da ala militar. 

(cont)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…