Pular para o conteúdo principal

Os cenários da PEC da Previdência

A Constituição Federal de 1988, aprovada pelo Congresso Nacional institucionalizou um Estado Social, atribuindo plenos direitos aos cidadãos e o dever do Estado em suprir. 
Para isso o Estado deve arrecadar os recursos necessários da população. Em outros termos: é o próprio cidadão que deve pagar pelos benefícios. 
Mas se isso seria válido no conjunto, não o é, no particular: alguns recebem mais do que pagam e outros menos. 
Quando os cidadãos reagem à cobrança dos tributos e impõe limites, mas os gestores e legisladores públicos continuam gastando e mantendo, ou até aumentando os benefícios, gera-se um déficit público, com consequências desastrosas para os cidadãos. 
No sistema previdenciário brasileiro os benefícios que os trabalhadores recebem ao se aposentarem são superiores ao que pouparam compulsoriamente. A diferença é suprida, parcialmente, pela contribuição dos empregadores, no caso de trabalhadores "celetistas" e o restante supostamente pelo Estado. Supostamente, porque o Estado não tem receita própria. Essa decorre da arrecadação de impostos e demais tributos cobrados das pessoas, seja direta ou indiretamente. 
Em função dos mecanismos tributários, todos pagam, mesmo que não percebam, e alguns são beneficiados: não na mesma proporção em que contribuem.
Diante do sistema existente, que já requer elevada contribuição do Estado, com perspectivas de necessidade crescente, há uma corrente social que defende a Reforma da Previdência, com o objetivo primordial de reduzir a necessidade de aportes de recursos públicos para cobertura das insuficiências, isto é, do "déficit da previdência". Na prática, mais ampla: déficit da seguridade social.
Os defensores dessa Reforma da Previdência apontam como razões principais:

  • a incapacidade futura do Estado em cumprir as obrigações com os aposentados, pensionistas e demais beneficiários da Previdência, gerando grave situação social;
  • o sacrifício das demais atividades do Estado, principalmente, educação e saúde;
  • a falta de condição do Estado em investir para promover o desenvolvimento econômico.

Os opositores defendem a manutenção dos benefícios, caracterizados por eles como direitos, e que se não houver recursos suficientes o Estado deve ampliar a arrecadação pelo aumento de impostos. Esse deve recair sobre os mais ricos que contribuem relativamente menos que os demais. Esses que são o núcleo central do chamado "mercado" não querem ser sobretaxados e defendem a Reforma da Previdência, para reduzir o déficit público.
No  fundo, a Reforma da Previdência envolve uma "luta de classes" e a esquerda se posiciona plenamente contra e não teme a possibilidade da redução da ação social do Estado ou a suspensão prolongada do pagamento das aposentadorias. É o que ela não só espera, como irá se mobilizar para promover a reação popular. Com isso, derrubar o Governo "liberal" e taxar as grandes fortunas e os ricos. Não aceita a argumentação ou suposições dos liberais de que isso acarretará fuga de capitais, transferências de empresas, reduzindo os empregos e promovendo o empobrecimento geral da população. 
A Reforma da Previdência coloca em confronto duas visões de mundo antagônicas e intolerantes. 
Os deputados de esquerda são contra e tudo farão para que a PEC da Reforma da Previdência não seja aprovada. Se não conseguem a rejeição, buscam o retardamento da aprovação, no que tem sido relativamente bem sucedidos. Parcialmente bem sucedidos porque tem atrasado o calendário do Governo, mas não o suficiente para paralisar inteiramente o processo: "a caravana segue".
Esses são cerca de 110 deputados e, fora uma pequena margem, nada os demoverá da posição contra a Reforma da Previdência, na sua integralidade.
Do ponto de vista prático, restam 403 votos, dos quais os defensores da Reforma da Previdência precisam de pelo menos 308, para a aprovação da PEC. Segundo "placar" do Estadão, 194 deputados já teriam feito declarações a favor da Reforma da Previdência, mas com alterações em relação à proposta do Governo. 

(cont)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…