Os motores (drivers) do crescimento

A economia brasileira conta com 3 motores primários para acionar o seu crescimento.
O primeiro é um motor possante, mas envelhecido e mal mantido, com baixo nível de utilização. É o motor industrial.
O segundo é um motor ainda pequeno, mas em plena movimentação, contemplando as mais modernas tecnologias, mas descendente de um velho motor dos tempos coloniais, com o que carrega todo um conjunto de preconceitos e descrença quando ao seu funcionamento permanente. É visto como um motor de funcionamento intermitente, sazonal e muito sujeito aos humores de São Pedro.
O terceiro, na realidade, é um conjunto de motores, alguns primários outros derivados da força daqueles. Uns tem dinâmica própria, outros dependem das condições geradas pelos demais.

Os motores principais são os geradores de produção primária que formam o PIB, mas tem um papel diferenciado na geração de empregos. 

O motor agropecuário moderno tem alta produtividade em relação ao fator trabalho, o que significa uma baixa geração de empregos. Sob esse ponto de vista é contrabalançado pela agricultura familiar, ainda grande geradora de empregos.

O motor industrial já foi o grande gerador de empregos, mas pela perda de potência, uso parcial, tem reduzido sucessivamente a sua fo trabalho,  com baixa capacidade de redinamização do mercado de empregos.

O conjunto de motores dos serviços é o principal gerador de empregos, mas uma parte não é independente, dependendo da criação de demanda pelos motores principais.

O motor primário, mais importante, seria o de serviços tecnologicos. É o que contribuiu para gerar empregos nos EUA, contrabalançado as perdas de empregos industriais.

Porém, no Brasil, é ainda um setor incipiente e fraco. 

O motor comércio é o principal empregador setorial, porém quase que inteiramente dependente da evolução da demanda final interna. É um motor de aceleração ou distribuição. Não é de geração primária.

O motor construção civil tem duas partes: a da infraestrutura inteiramente dependente - até aqui - de recursos públicos. O de edificações, embora de execução privada, também dependente de recursos públicos através do financiamento de bancos oficiais. 

Dado o esgotamento de recursos públicos para investimentos é um importante motor, mas sem combustíveis para ser acionado e operar plenamente. Depende de 
alternativas de fontes privadas.

(cont)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Quem vai mandar no Estado Brasileiro?

Os favoráveis ao decreto que flexibilizou o porte e posse de armas, o defendem em função do seu conteúdo, prometido ao longo da campanha ...