Pular para o conteúdo principal

Mais x menos automóveis


Os movimentos urbanos, anticarro se movimentam contra o o aumento da frota em circulação nas cidades, criticando as políticas do Governo Federal, de estímulo à produção e à compra financiada de automóveis.
Apontam esse aumento como o principal responsável pelo aumento dos congestionamento e fazem previsões catastrofistas como "a cidade vai parar". Alguns são mais radicais e, presos nos congestionamentos,  dizem: não vai, já parou.
De outro lado a indústria automobilística, acreditando na política federal e na dinâmica do mercado brasileiro já estão investindo fortemente no aumento da capacidade de produção.
Matéria publicada no Jornal "O Valor Econômico" no dia 8 de agosto de 2013, refletindo um estudo da Roland Berger Strategy Consultants indica para 2017 um aumento da capacidade produtiva da Indústria Brasileira de carros e comerciais leves de 6,8 milhões de unidades ano, 2,3 milhões acima da capacidade atual. As vendas internas passariam, dentro do cenário otimista, de 3,8 milhões atuais para 5,8 milhões em 2017. No cenário pessimista, partindo de 3,6 milhões chegaria, em 2017, a 4,4 milhões no ano.
As exportações seriam pequenas (0,7 milhões), mas as importações também já seriam menores, com a substituição de importações das novas marcas bem sucedidas no país, como a Hyundai, Cherry e JAC. Também as marcas de luxo, como a BMW, Mercedes-Benz e Audi, ainda que em pequena escala, passariam a produzir no Brasil, em função da diferenciação fiscal.
Essa produção irá movimentar uma grande cadeia produtiva nacional e internacional, com geração de milhares de empregos, cuja remuneração irá multiplicar o consumo.
O mercado brasileiro será o 4º maior mercado mundial, abaixo apenas da China, dos EUA, e do Japão, ficando na frente da Alemanha, Índia e todos os demais.
Um enfraquecimento do mercado brasileiro, não terá apenas impacto sobre o mercado de trabalho nacional, mas poderá abalar outros mercados mundiais supridores de autopeças e insumos para a cadeia automobilística.
Cidades que tem fábricas na sua região metropolitana, como Curitiba, São Paulo e mesmo Porto Alegre terão que enfrentar um conflito entre: mais carros e mais congestionamentos ou menos carros e mais desempregados.
As cidades e a economia brasileira terão alternativas para oferecer emprego aos metalúrgicos que perderem emprego pela contenção da produção da indústria automobilística?
Não desconsiderando o fato de que os metalúrgicos são as principais bases das duas maiores centrais sindicais: a CUT e a Força Sindical, agora com um braço político institucionalizado com o registro do Solidariedade, com partido. Esses dois estão ainda em disputa com sindicatos menores ligados a partidos de esquerda mais radicais, como o PSTU, PCO e outros que estão arrebanhando os sindicalistas descontentes com as supostas  politicas de acomodação e "chapa branca" das centrais maiores.
Os principais defensores da sustentação da produção da indústria automobilística são os sindicatos dos trabalhadores, com a sua força politico-eleitoral dando apoio às solicitações da indústria por benefícios fiscais e facilidades de financiamento para a compra de carros.
As questões estratégicas nunca são lineares, mas envolvem sempre embates entre forças contrárias ou, no mínimo, divergentes.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.