sexta-feira, 2 de setembro de 2016

O contragolpe na calada da noite

Renan Calheiros promoveu com maestria um contragolpe, com objetivos reais submersos, mas bem argumentado acima da superfície, conseguindo executá-lo valendo-se do efeito surpresa.

No campo político o fatiamento foi o argumento decisivo para os votos dos indecisos. Aceitaram votar pela cassação, mas contra a perda de direitos políticos. A promessa foi de que isso abriria um precedentes para o julgamento deles mesmos em processos vindouros.

O golpe foi tramado por Renan com Jorge Viana, representando o PT. E a quatro mãos reescrito o roteiro da peça. Para dar tempo a votação final foi adiada da noite do dia 30 para a manhã do dia 31. Para dar tempo para o ensaio final.


Era preciso convencer o Presidente da sessão, o presidente do STF Enrique Ricardo Levandowski de aceitar o fatiamento. A ação de Renan foi em dois sentidos: demonstrar a viabilidade do fatiamento com base no Regimento Interno, juntamente com uma interpretação enviesada do artigo constitucional e a contrapartida da aprovação do aumento do Judiciário antes do dia 12 de setembro, quando se encarra o mandato de Enrique.

E Enrique topou o novo roteiro, racionalizando que no Senado estava como Presidente "ad-hoc" da instituição e regida pelo seu Regimento Interno. O que não comprometeria a sua posição como Ministro do STF nessa casa. Ou seja, poderia até votar em sentido contrário.

E a pobre da Dilma, que nem merendeira de escola pública poderia ser, foi envolvida na manobra, usada como isca para abrir a porteira por onde poderão passar todos os corruptos, sem perda dos direitos políticos.

2 comentários:

  1. É Hori... e a velhacaria continua se comportando segundo uma equação exponencial com tendência a infinito!

    ResponderExcluir
  2. A velhacaria imprime um traço de inconfiabilidade a nossa política, prejudicial à atração de investimentos externos. É duro chegar a isso que está aí ao fim de nove meses de um parto dolorosíssimo.

    ResponderExcluir

As dificuldades de Dória

Ao contrário do que alguns acham, João Agripino não foi eleito Prefeito de São Paulo, pelos votos anti-pt ou anti-esquerda. Foi eleito com...