sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Uma narrativa de ficção, baseada em fatos e personagens reais

Lula conhece bem o povo e por isso o seu grande medo era que viesse a colar nele a pecha de ladrão. Não importa se de bilhões ou de galinha. O seu povo não sabe o que são bilhões. Apenas que são grande números. Nunca tiveram, nem mesmo viram. Mas sabe bem o que é roubo de galinha (cada vez mais rara) nas cidades. Sabe bem o que é "ladrão pé de chinelo" que rouba os pobres.

E sua defesa sempre foi a mesma: não há provas.

Não havendo é tudo perseguição das elites e ele consegue mobilizar a sua tropa, a sua militância, o seu povo em sua defesa.

Mas ele bem sabe que o seu povo não vai sair em defesa de um "ladrão". Só se tiver muita pena. Se ele roubou para garantir "o leite das crianças". Mesmo assim não adianta. Ele não vai ter amplo apoio popular se colar nele a pecha de ladrão.

O que ele não contava, com toda habilidade e experiência, que um bando de "moleques", usando os modernos meios de comunicação, conseguisse grudar nele a indesejada imagem. Bastou um ppt que viralizou.

E isso neutralizou a reação popular.

Para ele, Lula, que sempre contou com a sorte. Uma grande tragédia popular abafou a sua reação. O povo, o seu povo, que não acompanha a política, mas acompanha as novelas, foi fortemente impactado por uma tragédia em que a vida imitou a arte. O ator Domingos Montagner, que na ficção sobreviveu a todos os percalços, voltando aos braços da amada, morreu tragado pelo Velho Chico: uma enorme comoção nacional. Um trauma que perpassa pelo meio de comunicação mais acompanhado pelo povo. O de maior audiência nacional: a novela das 9.

Para o povo o dia não foi de Lula. Foi de Domingos Montagner. Todas as devidas homenagens a esse homem do povo, pouco conhecido pela elite, mas admirado pelo povo.

A vida tornou realidade a ficção e provocou um trauma nacional, superando as ficções criadas anteontem e ontem, tanto pelo MPF como por Lula.






Um comentário:

  1. De um lado Lula; do lado outro Cunha, seu adversário sob medida. O que está de fato no prato da balança é algo maior e ainda mais grave: é a índole de um povo; a índole de um coletivo; a índole de uma cultura....paternalista e vitimizada.

    ResponderExcluir