quinta-feira, 18 de maio de 2017

Coisas estranhas neste Brasil: amadorismo demais

Os elementos vazados da colaboração premiada dos irmãos Batista, donos da J&F traz bombásticas revelações que abalam a República, de forma irreversível, apesar de uma série de esquisitices em todo o episódio.

Embora um processo recente sobre acontecimento de 2017, ao contrário das revelações das delações da Odebrecht e de outros que se referem a períodos anteriores, vem decorrendo  há meses, sem que aparentemente, autoridades envolvidas tomassem consciência.

A partir da intenção de colaboração, eles teriam sido autorizados a fazer gravações, monitoradas pela Polícia Federal, para obtenção de provas materiais. E teriam, inclusive, sido autorizados pelo Ministro Fachin a gravar conversas com o Presidente da República. O que seria um abuso de poder.

E o Presidente da República, supostamente, sem ter sido informado dos riscos e "ingenuamente" ou por autossuficiência recebe Joesley Batista para uma reunião a sós, no Palácio Jaburu, onde trata de assuntos não republicanos. Com todos os processos investigativos em andamento.

Se ele assumiu a "chefia da facção" que remanesceu após a derrocada da facção petista, agiu com absoluto amadorismo. 



Só lhe cabe renunciar, por incompetência. 

Por outro lado, não está ainda claro de porque a J&F acedeu em contribuir para os supostos gastos da defesa de Aécio Neves, a partir de uma conversa nada republicana: na realidade, uma conversa de membros de quadrilha criminosa. Não foi apenas uma conversa entre amigos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário