Pular para o conteúdo principal

A classe média, sem carro

Como reação aos sucessivos e crescentes congestionamentos, vem aumentando a quantidade de integrantes da classe média no segmento "não quero ter carro". Eles vem ocupando principalmente imóveis na área central da cidade, com fácil acesso a uma estação do metrô.
Uma grande parte dos imóveis no centro de São Paulo, concluída até o final dos anos cinquenta, não tinha garagens. Os que tinham comportavam poucas vagas.
A carência de vagas levou muitos a migrarem para outras áreas onde as residências dispunham de vagas, promovendo a desvalorização imobiliária e a decadência sócio-econômica da área central.
Agora, na esteira, de lançamentos de apartamentos compactos sem direito a vagas, há uma demanda adicional desses imóveis mais antigos, mais espaçosos, mas sem vagas, provocando a elevação dos seus preços imobiliários, que se reflete nos alugueis. 
É um processo comum, o que tem como efeito a expulsão da população de menor renda que vão se refugiar em áreas próximas, onde a ocupação predominante e os riscos de segurança contém a elevação de preços.

O centro de São Paulo irá conviver com a diversidade e a desigualdade social, muito próximas.

Alguns dos sem carro ainda querem tê-lo para utilizá-lo nos finais de semana, ou para emergências, mantendo-os parado fora disso numa vaga junto ou próximo à sua residência. Na realidade são os "sem uso de carro".
Outros percebem que manter um carro tem um custo elevado, mesmo parado, com o pagamento do IPVA, licenciamento, eventual seguro e custo da vaga. Quando saem, além dos custos operacionais estão sujeitos à multas. Preferem não ter a propriedade de carro algum. 
Para isso pode contribuir a disponibilidade dos serviços de taxis, associados ao softwares que facilitam a localização.
Alguns desses "sem carro" passam a ser usuários da bicicleta. E ainda tem a alternativa do "carro do papai ou da mamãe".

É um fenômeno real e em evolução, com pronta resposta do mercado imobiliário, com um grande volume de lançamento de apartamentos compactos.

A questão maior é quanto os "sem carro" representam dos viajantes urbanos, ou seja, daqueles que se deslocam dentro da cidade, para se poder avaliar o real impacto sobre a mobilidade urbana.

A classe média seria a principal geradora de trânsito de automóveis na cidade. As gerações mais antigas resistem em se transferir para o meio coletivo. Mas as novas gerações sim.

Os jovens de famílias com mais posse, representavam a principal origem do aumento da frota de automóveis. Passavam da condição de sem carro, para com carro. Agora alguns (ou muitos) não querem passar à categoria do com carro. Alguns usando o carro dos pais, outros nem isso, passando a morar sozinho ou em repúblicas, sem a posse de carro.

Enquanto jovens solteiros estão entre os "não quero ou não preciso de carro". Mas depois quando se casam ou se juntam e tem filhos, passam à categoria dos "com carros".

O que vai acontecer com o mercado imobiliário quando esses "não preciso de carro" mudarem de categoria, passando a ser "com filhos" e "com carro". 

Haverá a reposição de tantos outros jovens com a opção de "não preciso de carro"? Ou, no extremo de idosos aposentados, que dispensam o carro? O volume de reposição será o suficiente para manter a dinâmica do mercado ou haverá um esvaziamento e perda de valor?

Deixando de lado a evidência de casos curiosos e pontuais, qual seria a efetiva representatividade dessa demanda, ao longo do tempo?


Comentários

  1. Jorge, a maior parte dos "sem-carro" de classe média são pessoas que estão ainda no colégio ou na faculdade. Não tem dinheiro para comprar carro, pois não tem ainda renda suficiente nem vontade de se meter em um consórcio, já que o iPhone ou o celular é o objeto de desejo de todos e é bem melhor gastar em viagens e "baladas" do que na manutenção de um veículo; além disso, quando precisam se locomover com o automóvel pedem carona aos pais ou, num extremo, emprestam o veículo dos "velhos" ou dormem com o(a) namorado(a) em casa.

    Há, porém, um fator que vai pesar mais tarde na compra do carro, e que foi citado por ti: quando trabalharem, precisarão do próprio veículo para o trajeto casa-trabalho-outra-atividade-qualquer. Acrescentaria, também, que a grande maioria dos paulistanos mora longe de seus locais de estudo, seja porque não quis se mudar da periferia ou vive em outros municípios; para estes o carro é fundamental, e assim que conseguem algum dinheiro se metem num consórcio ou financiamento para "deixar de andar de metrô".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…