Pular para o conteúdo principal

Quem está organizando a Copa?

Quem está organizando a Copa do Mundo da FIFA - 2014?
É o Brasil? O Governo Brasileiro? ou a FIFA?

A percepção é difusa, mas predomina a idéia de que é o Brasil, o país quem está organizando o evento. Há uma confusão entre a organização do evento em si, uma competição esportiva, e a construção ou disponibilização da infraestrutura para a realização dos jogos e de todos os eventos complementares, como o sorteio dos jogos, seminário técnico, congresso da entidade, etc.

O Governo Federal assumiu a responsabilidade maior pela organização da Copa, quando a Presidente veio a público dizer que faremos a "Copa das Copas".

Uma visão corrente é de que a organização não será da FIFA, embora o evento seja dela e quem vai pagar a conta seremos nós os contribuintes ou o povo brasileiro.
Valerá a pena?
Com que objetivo? Mostrar que somos capazes de organizar um grande evento mundial, melhor do que todos os outros? Que vamos fazer a "Copa das Copas", melhor do que a Alemanha, o Japão, os EUA e outros tantos paises desenvolvidos, porque melhor que a África do Sul, não é vantagem alguma.

Ou seria porque com a Copa no Brasil, ganharemos o trofeu?

A infraestrutura para receber a Copa, envolve essencialmente a disponibilização para a FIFA realizar o evento, ao longo de um mês, de um conjunto de estádios, dentro dos requisitos definidos no seu Manual, mais a infraestrutura pública aeroportuária e de mobilidade urbana.
O mínimo necessário é de oito estádios, mas deveriam ser planejados pelo menos 10 para ter uma reserva. O Brasil se comprometeu em aprontar, desnecessariamente, para a FIFA, 12 estádios para atender a composições regionais.
Desses, seis já foram utilizados para a Copa das Confederações, em 2013, 3 novos já foram inaugurados em 2014, e três ainda não foram abertos para receber jogos e público. 
Mas mesmo os que foram inaugurados estão inteiramente prontos, segundo as exigências da FIFA. Faltam equipamentos complementares.

Para a realização dos jogos, os gramados estarão prontos e preparados para eventuais intempéries. Poderá chover muito, mas o campo não ficará inundado, com poças de água. 

O público será bem acomodado e serão poucas as reclamações de pontos mortos. Os problemas de organização ainda poderão estar na ocupação indevida de cadeiras marcadas. Questões pontuais com relação aos banheiros, bares, sinalização e outras poderão ocorrer, sem prejudicar a qualidade da organização. As reclamações maiores serão sobre os preços dos produtos comercializados dentro dos estádios. 

Não faltarão lugares para os turistas, sejam estrangeiros ou nacionais, para se hospedarem, no período da Copa. A demanda será menor do que uma oferta excessivamente ampliada, contando com uma "invasão" de turistas que não ocorrerá. O problema estará nos preços abusivos pretendidos pela hotelaria, assim como da gastronomia. 

Provavelmente a Copa 2014 será a Copa mais cara de todas. Um pequeno grupo de torcedores que acompanham todas as Copas, poderão fazer as comparações reais, com base nos seus gastos efetivos. A maioria só terá comparações estatísticas, com a sensação de que o Brasil é caro. 

O problema maior estará na contaminação da alta de preços, por conta da Copa. Tudo o que for consumido pelos turistas estará mais caro durante a Copa, para todos, principalmente a população local. 

A mobilidade urbana, para os turistas, para acesso aos estádios não terá maiores problemas, com reclamações maiores por parte dos torcedores locais não acostumados com as restrições de chegar e estacionar o seu carro nas proximidades dos estádios.
Mesmo existindo, estacionamentos juntos ao estádio, liberados para jogos comuns estarão fechados durante os jogos da Copa. 
Já no dia a dia, para passeios e outras locomoções os turistas terão que enfrentar os mesmos percalços dos moradores locais. Mas serão consideradas situações normais que também ocorrem em outras grandes cidades mundiais, não afetando seriamente a perspectiva sobre a organização da Copa. Ainda que não venha a faltar reclamações e críticas.

Os problemas maiores que vão afetar a visão de uma boa organização da Copa estarão nos aeroportos e, mais ainda, nas rodoviárias. Os tumultos serão inevitáveis, pela concentração momentânea de pessoas. Poderão ser agravadas pelas condições meteorológicas. 

Será o maior risco para a imagem de organização do Copa. Se ocorrerem problemas será debitada inteiramente ao Governo Federal e o país: ficará a imagem de que o Brasil não se preparou ou não estava preparada para receber a Copa. Mas, nesse campo só resta contar que "Deus seja brasileiro" e esteja de bom humor durante a Copa.

Fica ainda o problema de segurança, ainda com algumas incógnitas, analisadas em outro artigo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…