Pular para o conteúdo principal

Guerra é guerra!

Nas passeatas há pelo menos duas categorias básicas de pessoas: os ativistas que tem objetivos e estão dispostos a lutar por esses e os simpatizantes ou seguidores que se juntam aos primeiros para manifestar a sua adesão às causas daqueles ou para demonstrar a sua inconformidade.

Diante das ações mais violentas dos ativistas e da reação policial os simpatizantes tendem a refluir, deixando de engrossar a massa de pessoas nas passeatas.

A estratégia bem sucedida das autoridades nas duas últimas passeatas anti-Copa, promovendo o cerco dos ativistas e detendo todos os cercados, sejam ativistas ou simpatizantes, obrigam os ativistas a mudar as suas táticas.

As ações dos ativistas terão que mudar de locais, transferindo as ações para vias mais amplas, onde sejam mais difíceis de serem cercados, assim como tenham maiores válvulas de escape.

O novo cenário determinado é a Av. Faria Lima, para a mobilização já anunciada para 13 de março, um dia da semana. 

Essa mudança traz riscos: a mais importante é que afaste os simpatizantes, ficando a mobilização restrita aos ativistas, com uma participação reduzida e preventivamente controlada.

Para as autoridades interessa a ocorrência de atos coletivos prévios ao período da Copa, para testar as suas estratégias e táticas, em diversas condições e promover o seu desgaste. 

Uma das táticas é do "arrastão de identificação". Com o cerco e identificação, embora liberados em seguida, eles serão intimados a prestar depoimentos ou esclarecimentos no dia da mobilização, de forma a ficarem "detidos" nas delegacias, durante o período do ato. Não estarão concentrados numa única delegacia, mas em diversos. O objetivo estratégico das autoridades é promover a dispersão de ações e concentrações. 

A estratégia "burocrática" provocará maior refluxo dos simpatizantes, ainda mais para um ato durante a semana. Os trabalhadores que forem intimados, irão perder o dia de trabalho, com desconto ou não.

A alternativa dos ativistas é tentar mobilizar os movimentos sociais organizados, como os do sem terra ou sem teto. Esses são, em grande parte, patrocinados pelo Governo petista que, não quer os atos anti-Copa. Não poderão contar com o apoio logístico usual. 

A estratégia das autoridades é de desgaste e esvaziamento dos movimentos populares anti-copa, de tal forma que esses não tenham força para ocorrerem durante a Copa.

Já os ativistas precisam de um mártir, para sensibilizar os simpatizantes. Infelizmente para eles a vítima foi um membro da mídia e provocada por ativistas black-blocs. A antipatia social se voltou contra eles.

A insatisfação popular contra os gastos com a Copa, em detrimento de recursos para educação, saúde e outros setores considerados mais prioritários permanece latente. 

A Copa no Brasil, que se esperava contar com a unanimidade da sociedade brasileiro, com exceções marginais, a divide. Pesquisas indicam que a maioria ainda apoia, mas o volume dos contrários não é desprezível.

Ainda existem elementos submersos que poderão fazer eclodir manifestações populares de grande porte. Quais são ainda não se sabe.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…