Pular para o conteúdo principal

Em quem o eleitor vai votar?

Numa eleição os atores mais importantes são os eleitores, não os candidatos. 
Cada um dos eleitores vai fazer a sua escolha e do somatório das decisões individuais vai decorrer o resultado, com a eleição de um dos candidatos.

O que faz com que o eleitor escolha um candidato e não outro?
Os corações e mentes dos eleitores não são iguais e é dentro dessas diferenças que os candidatos buscam conquistar a preferência do eleitor.

Apesar das diferenças há pontos comuns o que permite reunir grupos em segmentos do eleitorado. 

Dois seriam os grandes segmentos em que pode ser dividido o eleitorado: os pertencentes à opinião publicada e os que integram a opinião não publicada.

Os integrantes da opinião publicada são pessoas de maior educação, que lêem os jornais ou acompanham o noticiário pela televisão, ou pelo rádio (quando estão presos nos congestionamentos) e são influenciados pelas notícias e pelas análises ou comentários dos colunistas ou editoriais. 

Os seus integrantes tendem a achar que constituem a totalidade do eleitorado ou que as suas preferências e opiniões definirão as eleições.  Tendem a avaliar as circunstâncias, através de posições prévias. Já tem o seu candidato preferido.

Mas eles não devem representar mais do que 1/3 do eleitorado. Quem, efetivamente, decide as eleições é o restante 2/3 que podem ser caracterizados como opinião não publicada. Não acompanham a política no dia a dia, não leem os jornais, só acompanham acidentalmente o noticiário político na televisão, com pouco interesse e se frequentam as redes sociais, não acompanham as questões políticas.

Portanto para desenhar os cenários da eleição presidencial de outubro de 2014 é preciso desenhar os cenários do comportamento provável da opinião não publicada.

Esses 2/3 incluem a população de menor renda, cuja decisão eleitoral se baseia na visão de que esse ou aquele candidato irá melhorar a sua vida. 

A sua visão de mundo não vai além do que consegue enxergar dentro da sua vida cotidiana. O seu mundo é real e não imaginário, como ocorre com a opinião publicada.

Essa, por exemplo, vê a inflação pelos índices. A opinião não publicada só a percebe pelas suas compras. 

A opinião mais generalizada, nos dois segmentos é que o país precisa de mudanças. Mas, pelas últimas pesquisas, os que acreditam que as mudanças poderão ser feitas pela atual Presidente é maior que a que creem que os demais candidatos possam fazer.

É uma percepção contraditória que precisa ser melhor interpretada, pois isso poderá ser a chave da eleição.

Por que os candidatos da oposição não conseguem passar para o eleitorado a percepção de que eles são agentes da mudança? São vistos como mais do mesmo? 

Como e por que um número significativo de eleitores acham que uma Presidente teimosa pode promover mudanças em relação ao que ela mesmo vem fazendo? Seriam mudanças futuras ou percebem que as mudanças estão em curso?




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…