domingo, 24 de maio de 2015

Plano Levy ou Plano Dilma

Levy se preocupa com o "mercado", isto é, com o setor financeiro, investidor, financiador, procurando evitar o rebaixamento do "rating" do Brasil.

Mercadante se preocupa - em primeiro e segundo lugar - consigo mesmo. E depois com os petistas. Não quer que esses vejam o Governo, como dominado por Levy e os velhos inimigos.

Dilma, aparente e atualmente, só se preocupa com a própria silhueta.
A questão final no final de quinta-feira era se o corte no orçamento seria de R$ 70,1 bilhões ou de R$ 69,9 bilhões. 
Para efeito contábil e financeiro R$ 200 milhões faria pouca diferença, até porque haverá novos ajustes ao longo do ano.
A diferença maior estava numa disputa de poder (ou de vaidades) e de imagem.
Acima de R$ 70 bilhões seria uma demonstração de poder e força de Joaquim Levy. Relativa porque ficaria no mínimo, mas suficiente para fortalecer o Plano Levy.
Abaixo de R$ 70 bilhões seria para mostrar que ele "não está com essa bola toda" e que o ajuste é o "Plano Dilma".
Já que o corte é inevitável, Mercadante convenceu Dilma de que para efeito do PT e conseguir a aprovação das demais medidas no Congresso seria melhor sustentar o ajuste como Plano Dilma e não como Plano Levy.

Dilma ficou com Mercadante, os 200 milhões ficaram de fora, ele alcançou os píncaros da sua autoestima, com uma vitória de Pirro e Levy se retirou: "se o plano é de vocês, assumam e apresentem!". Simples assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As tecologias digitais no Novo Normal da Política

A política irá tentar conter as tendências, incentivar ou regular os novos hábitos? Uma posição - já em andamento - é coibir o uso indevido ...