segunda-feira, 15 de junho de 2015

O animal é outro

A expectativa do Governo é restabelecer a confiança e despertar o instinto animal do empresário privado. Segundo as lições atribuidas a Schumpeter ou a Keynes.

O problema é que o mundo mudou e as grandes empresas não são mais dirigidas pelos seus criadores ou familiares, mas por executivos profissionais, contratados pelos acionistas.  Não tem o mesmo espírito do empreendedor, que, por natureza, corre maiores riscos. 

O executivo precisa mostrar resultados a curto prazo e preservar o seu emprego. Avalia os riscos racionalmente, diferentemente do empreendedor que arrisca na base do seu "feeling". Nem sempre dá certo, mas não é conservador como o executivo. O executivo não tem espírito animal.

Uma grande parte das empresas é formada por multinacionais cuja direção está em outro país. Despertar a partir de Brasília o instinto animal do dirigente alemão da Volkswagen não é tarefa fácil.

Ademais os próprios controladores das empresas não são mais os criadores, mas fundos de investimentos, que precisam prestar contas aos seus investidores.

Para despertar o instinto animal do empreendedor é preciso antes encontrá-los. 

(ver artigo completo, na coluna artigos)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Moradia da miserabilidade

Moradia não se resume a um teto para viver (ou sobreviver). E um local de repouso do trabalhador e para abrigar a sua família. O responsáv...