quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Por que são poucos sindicalistas no Congresso? (4)

Na economia moderna e atual o principal inimigo do trabalhador não é o "patrão" que o contrata, paga mal, assim como o demite.
Os dois fazem parte indissolúvel de um processo produtivo, de uma cadeia produtiva, que tem dois grande "inimigos" que sugam grande parte da renda, deixando pouco para os dois. Esses brigam entre si, pela parte que sobrou da renda com a venda do que foi produzido. A "parte do leão" ficou com o Governo e/ou com os bancos. 

Os movimentos de rua, baseadas nos discursos de sempre, amplificadas por megafones, são barulhentos mas reverberam cada vez menos. Os que se sentem incomodados são cada vez maiores. Os que aderem e vão às manifestações são cada vez menores. 

Os mentores acham que é falta de consciência do povo. Mas precisam refletir se essa falta não é deles, que não percebem que os discursos de sempre não tem mais repercussão.

As novas estratégias deverão usar as mesmas "armas" da dita direita, ou dos neoliberais. A principal seria a "desconstrução" das suas teorias baseada em dados manipulados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Trabalhador não está votando em trabalhador

A partir da constatação numérica de queda da bancada sindical no Congresso Nacional, o que resultou na derrota da visão dos trabalhadores na...