segunda-feira, 6 de junho de 2016

O Brasil é um grande importador de máquinas e equipamentos mecânicos e eletro-eletrônicos, tanto para uso industrial, como para consumo doméstico ou pessoal, acumulando grandes déficits comerciais.


fonte: ALICE - SECEX - MDIC

Os dados confirmam que o Brasil, pela sua indústria, está fortemente inserido como ponta final das cadeias produtivas globais, adquirindo os equipamentos, peças e partes para a montagem final dos produtos para suprir o mercado interno.  Por outro lado, tem fraca participação das cadeias globais de suprimento, com exportações fracas dos produtos dessas mesmas categorias. 

 Analisando  especificamente o conjunto da indústria automobilística, verifica-se uma reação no movimento dos veículos prontos (ou semi prontos).

Tendo importado quase 1 milhão de veículos prontos, dos quais 862 mil carros de passageiros em 2011, veio refluindo nesses volumes, seja pela tributação maior dos carros sem uma fabricação compensatória no país, como pela crise econômica.

Em 2014, o volume de importação de automóveis de passageiros já havia caido para menos de 500 mil e nos primeiros 4 meses de 2016, para 54 mil veículos.

Com o aumento das exportações de automóveis de passageiros, o setor passou a apresentar um saldo positivo, mas ainda em pequena escala.

O importante, no entanto, é a inflexão da tendência.

Porém grande parte dessa produção brasileira é suprida pela importação de auto-peças que comprometem o saldo do setor. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um bom ou mau projeto? (4) - Reindustrialização

Dentro da perspectiva de que o Brasil para se tornar um país desenvolvido precisava ter uma indústria própria. Até os anos 80 a indústria fo...