Pular para o conteúdo principal

A credibilidade de Venina

Venina Velosa da Fonseca não é uma reles empregada da Petrobrás (o que não existe, pois nenhum funcionário concursado da Petrobras pode ser considerado reles) mas uma ex-gerente executiva, o topo da carreira  gerencial, fora os Diretores Estatutários, que podem não ser de carreira.
Chegou ao cargo de gerente executiva da Area de Abastecimento Corporativo, juntamente com Paulo Roberto Costa, em 2005, ainda no primeiro mandato de Lula.
Segundo ela mesma conta, na entrevista dada ao Fantástico, a sua primeira missão foi preparar a área de Abastecimento para disputar o Plano Nacional de Qualidade, láurea conquistada em 2007.

Nesse ínterim, Paulo Roberto Costa começou a montagem do "esquemão" nas obras da Refinaria Abreu e Lima (designada internamente pela Petrobras como RENEST - Refinaria do Nordeste), mediante contratos superfaturados com os associados do "clube", adotando procedimentos não conformes às regras, como o encaminhamento de contratação sem o projeto executivo completo.
As contratações precisavam ser aprovadas pela Diretoria Executiva e depois concretizadas pela Diretoria de Engenharia e Serviço, comandada por Renato Duque, tendo Pedro Barusco como o gerente executivo da área.
À Venina cabia preparar os processos, eventualmente negociar os termos dos serviços e dos contratos e encaminhá-los ao Diretor que os levava à Diretoria Executiva e depois de aprovado os encaminhava e acompanhava o andamento na Diretoria de Serviços. Ela participou ativamente, como atribuição funcional, de todo o processo de contratação das obras e fornecimentos da RENEST. 
Percebeu valores excessivos, teria mostrado ao seu diretor que deve ter lhe mandado "seguir em frente", porque esta era a condição para implantar a Refinaria, segundo diretrizes do Governo. Angustiada e com dilema pessoal entre o dever de lealdade ao seu Diretor, com o qual fez toda uma carreira na Petrobras e amizade pessoal e familiar e os indícios de irregularidades, aletrou-o, assim como outros diretores, principalmente a sua então amiga Maria das Graças Foster, outra gerente mulher de alto nível. Como já escrevemos aqui faziam parte do "Clube das Luluzinhas".
Por atribuição funcional participou dos processos, mas não do esquema como os outros, dois dos quais confessos. 
Não aguentando a situação, levou ao seu Diretor a intenção de denunciar, uma vez que os alertas não haviam sido suficientes, quando então ocorreu a dita reação do Diretor de que "ela estava querendo derrubar todo mundo", que estava "querendo pular fora do barco" e outras manifestações que resultaram na retirada dela do cargo e um primeiro exílio dourado a Cingapura, para fazer um curso. Concluido este e retornando ao Brasil foi colocada na "geladeira" até que surgiu a oportunidade de um novo exílio, como Presidente da subsidiária da Petrobras em Cingapura. Supostamente uma promoção, mas era para ter o cargo e não trabalhar. Para não interferir em nada. Mas continuou incomodando com os seus e-mails.

Até que deflagrada a Operação Lava-Jato a delação premiada de Paulo Roberto e os problemas com os auditores externos, a Petrobras nomeou uma comissão interna para verificar os contratos da RENEST,  com foco no quarteto e, principalmente, na incômoda ex-gerente, a única deles ainda no quadro ativo da Petrobras. E dentro das centenas de processos referentes à RENEST encontraram um caso especifico, pelo fato de uma proposta comercial estar destinada formalmente a ela. Segundo a Comissão ela teria desconsiderado um desconto oferecido pela proponente, imputando-lhe um poder pessoal que não teria isoladamente. 

Mas foi o suficiente para a Direção da Petrobras, afastá-la do cargo honorário do outro lado do mundo, rebaixá-la, com redução salarial e instaurar processo para sua demissão por justa causa. 


Diante dessas acusações ela, para se defender, trouxe a público parte da documentação, com os alertas para demonstrar que, apesar da sua participação funcional, não fez parte do "esquemão", que se contrapôs a esse o que levou ao seu rompimento com o antigo chefe, esse sim envolvido, ao seu afastamento, exílio e sucessivas tentativas de desqualificação.

A esta altura a principal é que ela não fez as denúncias oportunamente, só o fazendo quando foi acusada. O que teria feito como retaliação. Não é retaliação. É auto-defesa quando a situação se torna insustentável. Ela não denunciou antes na vã esperança de preservar a sua querida empresa, a quem dedicou toda uma vida. 

Os que vivem ou conhecem o meio empresarial bem sabem da angústia e indecisão de denunciar o seu chefe com o qual tem uma relação de lealdade e companheirismo de muitos e muitos anos. E a repercussão na imagem da empresa.

Ela está se defendendo e merece todo o apoio. O que ela não pode é se calar. Ou o pior: "ser calada".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.