Pular para o conteúdo principal

O que está acontecendo com a economia brasileira?

É um problema da economia, como um todo, ou uma engrenagem complexa que os economistas tentam captar em sofisticados modelos matemáticos. Ou uma questão comportamental dos brasileiros, dos produtores e dos investidores.

Todos os modelos tem motores de transmissão cujo funcionamento se baseia em séries históricas, muitas vezes copiadas do exterior que nem sempre tem o mesmo desempenho no Brasil. Como o brasileiro reage às situações previstas e reais.

Uma das características da cultura brasileira é a ilusão. O brasileiro quer ser sempre um otimista, achar que vai dar certo ou "não tem como dar errado", e que não tiver ocorrendo como esperado há sempre o "jeitinho brasileiro" para resolver.

A realização da Copa do Mundo da FIFA no Brasil foi cercado por muita ilusão. Governo, patrocinadores e consultores venderam a idéia de que o Brasil ia "bombar" (tanto em campo, como fora) e que a Copa iria elevar o PIB em pelo menos 1,5%. Só não disseram claramente em relação a o que? Que o Brasil iria ter uma invasão de turistas e a preocupação era com os aeroportos.

O Brasil não bombou, ou melhor, levou bomba dos alemães e depois dos holandeses. O PIB caiu um pouquinho no 2º semestre, quando começou a Copa e aumentou, também um pouquinho, no 3º trimestre. Na prática o PIB brasileiro fugiu e foi fazer compras no exterior. Miami agradece. A China agradece. A Copa foi boa para eles.

A invasão dos turistas houve. Mais do que o esperado. Mas dos nossos "hermanos". As previsões que aqui fizemos estavam subestimados e erramos também nos meios de transportes. Acertamos quando previmos que haveria uma queda no volume de turistas de maior renda, porque os de negócios não viriam durante a Copa. E não iria haver problemas nos aeroportos. O Terminal 3 de Guarulhos, completado às pressas ficou vazio, durante a Copa. As Cias áreas nem se deram ao trabalho de mudar os embarques e desembarques para lá. Só o fizeram depois da Copa e mesmo assim, parcialmente.

Onde erramos: a maior parte viria dos paises vizinhos de ônibus: fretados e comuns. O problema maior seria nas rodoviárias. Não foi assim. Vieram muito mais do que o previsto. Mas vieram de carro e nos seus "motorhome". Carregando a casa e não foram para os hotéis. Esses aumentaram os preços e ficaram vazios.

O legado foi pífio. Com isso o Governo, patrocinadores e outros anteriormente eufóricos com a Copa resolveram esquecer o evento, com uma desculpa ou racionalização psicológica muito forte: não relembrar o 1 x 7 no Mineirão. Quando muito foi para colocar a culpa do baixo crescimento na Copa.
Esse passou a ser o grande vilão, para explicar o baixo crescimento econômico global.

Acredita, quem quiser.

O fato é que quando se esperava que o brasileiro acelerasse, ele pisou no freio. Não por engano. Mas porque não viu um futuro muito claro: o que ele iria encontrar adiante.

Agora passada a eleição, com a reeleição de Dilma e designação da nova equipe econômica, o futuro está mais previsível, mas com lentes diversas. Os pessimistas acham que não vai dar certo e vão continuar em marcha lenta ou até parar. Os otimistas que são em maior número, vão acelerar de novo. Vão comparar mais, se endividar mais (apesar da taxa de juros) e o resultado no último trimestre de 2014 poderá ser melhor.

2015 vai ser um ano de ajustes, mas está sendo retomada a trajetória de crescimento por parte dos consumidores. O crescimento da produção dependerá dos agentes economicos privados.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.