Pular para o conteúdo principal

Diferenças de percepção e concepção

Há percepções diferentes em relação ao papel do Bolsa Família, recheada de preconceitos.

A visão da economia do mercado da riqueza é que o bolsa família é uma esmola, que perpetua a pobreza e estimula a indolência, gerando uma carência de mão-de-obra. Ademais a falta de controle permitiria gastos do benefício com cigarro, bebida e outros consumos inadequados e não garantiria a educação das crianças. 

A visão "petista" é que o bolsa família corresponde a uma renda mínima, garantindo aos beneficiários melhor condição de sobrevivência, pelo menos sem passar fome. O bolsa família não os tornariam indolentes, mas em mais exigentes, em relação aos salários e às condições de trabalho. Na prática os empregadores não estariam dispostos a pagar mais e alegam que esses beneficiários não querem trabalhar. E estariam colocando as culpa das dificuldades no Bolsa Família.

A campanha eleitoral para a Presidência levou às promessas de consolidação do Bolsa Família, com ambos os candidatos assegurando que o mesmo terá continuidade.

Garantido o básico o Governo, qualquer que seja, terá que complementar o Bolsa Família, para que as famílias possam efetivamente sair da pobreza.

Há três caminhos principais:

  1. o da educação, que se desdobra com:
    1. seguros impactos de longo prazo, quando focados na educação básica, atendendo às crianças;
    2. prováveis impactos a curto prazo, quando as ações estão voltadas à capacitação dos jovens e adultos;
  2. o encaminhamento das pessoas beneficiadas para o mercado formal de empregos;
  3. a geração de oportunidades de trabalho como microempreendedores, inclusive no mercado informal.
O caminho da educação é o mais importante e, em qualquer dos demais precisa ser mantido. 
A educação das crianças garante um futuro melhor para as elas, mas não garante que o mercado formal ofereça todas as oportunidades de emprego para absorvê-las, quando chegarem à idade adulta.

O que é futuro para as crianças já é presente para os jovens e adultos e mesmo com maior capacitação continuam enfrentando restrições de demanda por empregos, nos mercados formais mais desenvolvidos. A indústria deixou de ser a grande oportunidade e empregadora. O mesmo ocorre com a construção civil, cada vez mais mecanizada e informatizada, requerendo menores volumes de mão-de-obra.

As principais alternativas de trabalho está no comércio e nos serviços.

Isso faz com que uma grande possibilidade de trabalho esteja nas próprias comunidades beneficiárias do bolsa família, para microempreendedores populares, incluindo os em condições informais.

O desenvolvimento do microempreendimento popular, aceitando, inclusive o informal é o passo seguinte para propiciar aos pobres a oportunidade de sair mais rapidamente da pobreza a partir do seu esforço pessoal. Num primeiro momento, a renda dos serviços deve ficar acumulada com o benefício do bolsa-família. Não é uma tese fácil de ser aceita, mas uma condição essencial para a dinamização da economia local e geração das oportunidades de trabalho.

Complementarmente os programas de capacitação deverão estar focadas na preparação para o setor de serviços de massa, com tecnologias intermediárias e mão-de-obra intensiva. O setor com maior demanda tem sido os serviços por motocicleta, seja o motofrete como o mototaxi.

Os serviços de transporte foram as principais oportunidades descobertas pelos jovens pobres para se apropriar da renda injetada pelo bolsa família. Mas não são as únicas.

O principal gasto das famílias é com a alimentação e há duas alternativas básicas: uma alimentação com forte participação de produtos industrializados. A outra é baseada na alimentação natural, o que pode ser feita a partir da produção local.

O modelo desejável é a criação de um círculo virtuoso, com produção orgânica (sem uso de fertilizantes e defensivos químicos) consumidos pela própria comunidade, com possibilidade de comercialização de excedentes.

Para isso o programa governamental deve, de um lado, apoiar a produção orgânica, dentro da agricultura familiar e, de outro, desenvolver campanhas de marketing para estimular o seu consumo.

Aqui também há uma dificuldade, pois os defensores da alimentação mais saudável, acham que o meio é a educação ambiental, contrapondo-se ao marketing comercial. O problema é que o concorrente usa e abusa do marketing para seduzir os clientes, inclusive os mais pobres.

O marketing dos alimentos locais deve ser parte do orçamento dos programas sociais.

O círculo virtuoso, começa com a produção agrícola, para o qual deve ser prestados serviços de assistência rural e financiamentos adequados. 

A logística deve ficar a cargo, no geral, pelas motofretes, com a aquisição de caminhonetes ou similares para produção maior.

Além da venda in natura, deverão ser desenvolvidos os serviços de produção de alimentação pronta, em quentinhas ou congeladas. Para isso a capacitação de cozinheiras, com uso de ingredientes naturais deve ser uma das prioridades da capacitação das pessoas.

Com renda adicional as famílias melhor sucedidas passam a contratar babás para as crianças e cuidadoras (os) para os idosos. Geram uma nova rodada de circulação e ampliação da renda.

Mais ainda, a renda faz as pessoas buscarem maiores cuidados pessoais, inclusive estéticas:  geram oportunidades para serviços de cabeleireiros, manicures e  similares, ampliando o circuito de trabalho e renda.

Os trabalhadores resistem à formalização porque esta implica em descontos na sua remuneração. Mesmo que seja de natureza previdenciária, a sensação é negativa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Transformar a produção agrícola em alimentos para o mundo

A agropecuária brasileira é - sem dúvida - uma pujança, ainda pouco reconhecida pela "cultura urbana". Com um grande potencial de desenvolvimento, diante do crescimento da demanda por alimentos pelo mundo, tem feito um grande esforço de marketing para ser reconhecido. Conta com o apoio da Rede Globo que tem feito uma persistente campanha na televisão sobre "Agro é tech, agro é pop, agro é tudo". Contestada nas redes sociais onde os "ambientalistas" dominam.

A idéia ou lema do "Brasil celeiro do mundo", sintetiza a posição da agropecuária, que acaba tendo uma resistência inconsciente por parte da sociedade urbana que não quer ser dominada pelo campo. 

Do ponto de vista macro econômico a contribuição da agropecuária para o PIB é pequena, por que está no início da cadeia produtiva. Somando o restante dessa cadeia a participação é estimada em cerca de 20%. Mas ai, a agropecuária representa apenas 25% do PIB do agronegócio, com a indústria representand…