quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Projeto nacional e de poder

A oposição acusa do PT de ter apenas um projeto de poder. No entanto, o projeto de poder, não garante a eleição do Presidente, assim como de uma base parlamentar. 
O projeto de poder é sustentado por um projeto nacional, que gera os votos necessários, ainda que não suficientes.
Esse projeto tem foco na redução da miséria, da pobreza e na inclusão sócio-econômica dos que estão naquelas condições.
A partir desse propósito principal, o projeto de poder, cria uma imagem emocional favorável e acusa os adversários de pretenderem acabar com aquele. 
O diferencial de votos, o "fiel da balança" que deu, ao final a vitoria à Dilma Rousseff, foi uma classe média urbana, que votou contra o "coxinha", seduzida por um discurso esquerdista. Mal conhece a realidade, não gosta de pobre, tem horror à miséria, mas tem ojeriza aos "tucanos" no poder. 


Esse é o segmento social que hoje virou (ou está virando) a oposição à Dilma. Não aceita a atuação dela em relação aos escândalos da Petrobrás, acha que ela foi envolvida e não tomou, nem está tomando as providências necessárias, não concorda com a indicação do trio "Los Panchos" para a condução da política econômica e de líderes empresariais para a Agricultura e para a Indústria. 

Essa oposição se forma em torno de um movimento de esquerda de um socialismo ou "inclusismo social" sem Dilma. Ela seria uma "gerentona" que fracassou no desenvolvimento do projeto social: esse caminhou mas insuficientemente e com sérias sequelas. E não é vista mais como a pessoa capaz de promover os avanços necessários.

O projeto continua tendo a aceitação da sociedade e da opinião pública, embora não da opinião publicada. Ela não.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vontade do Soberano submetida ao Senado Federal

O anúncio pelo Presidente Bolsonaro da indicação do filho Eduardo para a embaixada do Brasil nos EUA, decorre do voluntarismo do soberano, o...