Pular para o conteúdo principal

Cadeia produtiva global interrompida

O Brasil, ao contrário do que muitos afirmam e criticam, está amplamente inserido nas cadeias produtivas globais, ainda que de forma interrupta.  A principal delas, a cadeia automobilística, esta instalada no Brasil.

Essa inserção do Brasil, por conta das políticas industriais ativas, deram parcialmente certo. Dada a escala do mercado brasileiro e do seu potencial as grandes multinacionais não querem deixar de participar do mercado brasileiro e se a condição é um índice de conteúdo nacional, comprometem-se com ela. 

Essa política permitiu o desenvolvimento da cadeia produtiva automobilística, o de equipamentos para o petróleo "off-shore", para a energia eólica, para a indústria de saude, entre outros. Em geral vinculados aos financiamentos do BNDES. do poder de compra do Estado, de benefícios fiscais, ou de concessões de serviços públicos.


É inegável o seu sucesso, com a instalação ou ampliação de uma base produtiva nessas cadeias globalizadas de valor, mas a sua implantação interrompida limitando-se ao suprimento do mercado nacional, sem abertura para exportações generalizadas, se esgotou precocemente, sem completar o seu círculo virtuoso.

A sua continuidade, no segundo mandato de Dilma Rousseff, será objeto de muita controvérsia.

A tendência do Governo será de reafirmar e insistir na política de conteúdo nacional, induzindo as multinacionais a se instalarem no país. Mas somente aquelas que estão nas cadeias produtivas de fornecimento ao Governo ou integrantes dos benefícios ou exigências governamentais investirão. E a tendência é de instalações com escala mediana e tecnologias de penúltima geração.

O conteúdo nacional teria um efeito positivo por estimular a produção no país, porém a partir de um certo nível - não determinado - passaria a ser negativo, a menos que fosse uma base para uma escala mundial. Ocorre que o Brasil enfrenta restrições para viabilidade dessa escala mundial. Mais de ordem interna do que externa.

O que o Governo fará? O que a oposição vai contestar? Qual vai ser o resultado efetivo para a economia brasileira?

A maior inserção global não depende de um esforço de industriais brasileiros de vender seus produtos para o exterior. Não é um problema de exportações isoladas.

Essa inserção se dará através da reorientação de estratégias de multinacionais instaladas no Brasil em exportar para suas outras unidades instaladas no mundo partes, peças e conjuntos e mesmo produtos acabados.

As cadeias produtivas não são fenômeno social difuso e anônimo. As cadeias produtivas globais são empresariais e inteiramente identificáveis. Elas são da Volkswagen, da General Motors e outras da indústria automobilística. São da Nike, Adidas e outras.

Neste último caso, inserção do país significaria produzir no Brasil a camiseta da seleção brasileira de futebol, para vender para todo o mundo, através da rede de comercialização da Nike: e não a sua produção na Ásia, inclusive para venda no mercado brasileiro.

Para ampliar a inserção brasileira, as questões não são genéricas, mas especificas. Do tipo: o que a Nike, Adidas e outras vão produzir no Brasil, para venda a todo o mundo, do material esportivo relacionada com os Jogos Olimpicos e Paralimpicos a serem realizados no Rio de Janeiro em 2016?

Qual será a política industrial brasileira para promover essa maior inserção? Ou melhor a estratégia brasileira de negociação com essas multinacionais? Quem será o interlocutor, de parte do Governo? 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.