terça-feira, 20 de outubro de 2015

PatrImonialismo e corporativismo

A sociedade brasileira carrega dois traços culturais responsáveis pelas dificuldades de desenvolvimento: o patrimonialismo e o corporativismo, que fundidos viram o patrimoni-corporativismo.
O patrimonialismo é recorrer ao Estado na defesa da sua visão de mundo. Qualquer coisa coletiva que a pessoa ache que deva ser feita, apela logo para uma política ou ação pública, a uma regulação pública.  O Brasil precisa de educação, então defende políticas públicas, recursos para a educação. Se, necessárias, medidas coercitivas e punitivas. Sempre através do Estado. 
Para garantir o que acha que é necessário defende a vinculação de recursos públicos. 

Uma das faces da crise atual, é o esgotamento do patrimonialismo, com a sociedade não aceitando mais a elevação dos tributos.

A cultura patrimonialista, no seu sentido amplo, que tem o respaldo e o desejo da sociedade dá margem a outro traço cultural: o corporativismo.

A conjugação dos dois fatores leva a diversas distorções, mas duas delas são as principais:
  1. a dificuldade do ajuste fiscal, para conformar tudo o que já se comprometeu com as vinculações dentro dos recursos disponíveis, levando o Governo a propor sucessivamente aumentos tributários;
  2. a ineficiência dessas atividades priorizadas, pela captura das corporações que contam com recursos garantidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O perfil dos novatos (2)

Os novatos estão fascinados com o suposto poder da rede social e se concentrarão no meio virtual.  Poucos se dedicarão aos tradicionais mét...