domingo, 27 de novembro de 2016

Carro compartilhado piora o trânsito

A liberação do carro compartilhado do rodízio, na cidade de São Paulo, é uma boa e má notícia para o motorista.
De uma parte o usuário que tem acesso a um local para retirar o carro não precisará de um segundo carro, só para usar no dia do rodízio. 
De outra parte o carro compartilhado irá aumentar o volume de carros em circulação, agravando os congestionamentos.
Há uma impressão equivocada sobre as causas dos congestionamentos provocada pela impressão visual, reforçada por interpretações errôneas pela mídia das estatísticas.
O problema dos congestionamentos não é o tamanho da frota, seja em números absolutos ou em índice de carro por família. Cidades mais desenvolvidas - no mundo - tem frota e índices maiores de frota e padrões de congestionamento menores.

O problema não é a frota, mas a sua utilização. Em termos técnicos, não é o estoque, mas o fluxo.

O carro compartilhado ajuda a conter o crescimento da frota, mas aumenta o uso. O carro compartilhado resolve para os usuários o problema da falta de estacionamentos nas vias públicas. 

Com a reserva de vagas, nas vias públicas, para o carro compartilhado a Prefeitura Municipal gera uma facilidade e cria problemas. 

A facilidade pode estar na disponibilidade de vagas próximo ao destino. Mas pode criar dois problemas do tipo Regulador Xavier : 1 - excesso ou  2 - escassez.

O uso excessivo de determinada localidade poderá fazer com que eventual retardatário encontre todas as vagas ocupadas e tenha que sair à busca de outro ponto onde possa deixar o carro compartilhado. Significa perda de tempo, maior circulação, aumentando os congestionamentos, atraso para chegar ao compromisso e elevada irritação. 

A escassez, com espaços vazios, mas reservados apenas aos compartilhados gera irritação e usurpação, como já ocorre com as vagas reservadas aos deficientes, idosos e mesmo taxis. 

O carro compartilhado é uma solução moderna, positiva para os motoristas e para o conjunto da cidade, mas que requer competente gestão e custos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário