sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Discussão de estratégias

Ficar contra o ajuste fiscal por motivos ideológicos, tem razão estratégica: ser oposição para marcar posições. Mas sem o risco de vitória. Pois, na eventualidade de vitória da imprudência fiscal, o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul estão ai para demonstrar concretamente as consequências.

Para as discussões estratégica, a primeira condição é aceitar que as batalhas são eminentemente de natureza política e não técnica. É um confronto de forças, que se materializa no Congresso Nacional.

Não basta ter posições. É preciso que essas posições sejam absorvidas, aceitas pelos parlamentares. Que por sua vez são sensíveis às posições de suas bases eleitorais. E essas pelas circunstâncias.

Para os trabalhadores, seus sindicatos e centrais, que tem a visão de luta, o fundamental, sob o aspecto estratégico, é enfrentar a luta certa. Reconhecer os adversários certos. Que podem ser amigos agora e inimigos, mais à frente. Ou vice-versa. O jogo é político.

Os trabalhadores se defendem como manutenção de direitos adquiridos. O "mercado" como cumprimento de contratos e segurança jurídica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um bom ou mau projeto? (4) - Reindustrialização

Dentro da perspectiva de que o Brasil para se tornar um país desenvolvido precisava ter uma indústria própria. Até os anos 80 a indústria fo...