sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Uma jogada que pode dar errada

A jogada estratégica era clara: inviabilizar o financiamento empresarial privado para viabilizar o financiamento público. Nesse dominariam os grandes partidos e suas cúpulas dirigentes.
No tempo em que foi lançado, teria dado certo. 
Mas Gilmar Mendes que percebeu a jogada, segurou a bola na defesa. E esperou por mudanças que ocorreram.

O tema é escamoteado por teses falsas, para esonder as razões verdadeiras. 

Abuso de poder econômico, aumento do caixa dois, etc são argumentos usados para viabilizar o financiamento público, tese defendida ardorosamente pelo PT. 

O PT perdeu força, a base aliada se esfacelou, o baixo clero é a favor do financiamento empresarial e a crise econômica não permite criar mais um ônus para o Tesouro Nacional. 

A jogada para viabilizar o financiamento público perdeu oportunidade. 

Terá que voltar à agenda com o novo Congresso, a partir de 2019, eleito sem o financiamento empresarial explícito e o financiamento público restrito (ao que já existe hoje).

Nenhum comentário:

Postar um comentário