segunda-feira, 9 de novembro de 2015

O aquipélago eleitoral

Na eleição presidencial vence o candidato que obtém a maioria dos votos válidos dos eleitores, em dois turnos. É efetivamente uma eleição nacional. 

Nas eleições parlamentares são eleitos os mais votados em cada Estado. Marginalmente são eleitos aqueles que, embora não sejam os com mais votos, se beneficiam do coeficiente partidário. 

Teoricamente, o partido ou a coligação partidária do candidato a Presidente deveria ser  a mesma proporção de votos na eleição parlamentar.  Poderá até ter, mas isso não significa que a composição na Congresso seja a mesma. O peso de cada voto não é igual, mas ponderado. 
 
avidepa.org.br

A eleição parlamentar é feito por ilhas que formam arquipélagos. 

Dentro desse modelo, os partidos nacionais formam maiores bancadas. Os partidos subnacionais bancada menores. E os regionais não chegam a formar bancadas, com representações unitárias. 


Não adianta a um partido dominar uma ilha ou mesmo o arquipélago. Precisa conjugar os diversos arquipélagos e, no momento, apenas um partido o consegue. Com isso controla o parlamento mas não o Executivo.  E gera os impasses.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário