quarta-feira, 25 de maio de 2016

Exportar para empregar

O aumento do desemprego decorre da insistência dos agentes econômicos depositarem todos os seus esforços e esperanças numa revitalização de um esgotado mercado interno. Não haverá nenhum isotônico capaz de repor, em curto prazo, a confiança perdida e outros fatores.

A única saída emergencial ou de curto prazo é a exportação de industrializados pelas multinacionais. Principalmente as da indústria automobilística, pelo seu poder simbólico.

Elas resistiram em mudar a orientação estratégica definida para as suas subsidiárias brasileiras. Agora há sinais de mudança. Ainda pequenas. 

A manchete de uma notícia em páginas internas do Caderno de Economia do Estadão (24 de maio de 2016, B7) chama atenção "GM vai contratar 200 pessoas em São José".
É uma quantidade pequena, diante de 1.800 demitidos na mesma fábrica desde 2013.  Mas pode ser um sinal de reversão. 
E porque vai contratar se o mercado continua ruim, com as vendas em queda? A resposta vem  no subtítulo "Empresa quer ampliar a produção da picape S10 para exportação ..." Aqui entra o fator Macri, na Argentina, mas não é só.

Precisam ser reivindicadas, pressionadas pelos trabalhadores. Eles não podem ficar na dependência do Governo que insistiu em proteger e beneficiar sem sucesso o mercado interno. E que não incentivou as exportações, para manter a sua tese de que a culpa da crise brasileira é uma suposta crise internacional: "por que promover as exportações se o mercado internacional está em crise".

A resposta é simples: existiria uma  crise mundial  porque os paises desenvolvidos vão crescer menos do que 3% e a China só vai crescer 7%. 

Desde quando isso é crise para justificar queda do PIB brasileiro de mais de 3%? 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esquerda, centro ou direita? (1)

A tradicional análise política divide os partidos políticos em esquerda e direita. E parte dos políticos assume um lado. Quando não assumido...