quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A saúde brasileira pos-pec 241

A situação da saúde, pós Pec dependerá da conjuntura econômica nos próximos anos, principalmente em 2018. A situação real da saúde poderá influir decisivamente nas eleições legislativas de 2018. Com a possível eleição de uma forte bancada a favor da revisão da Pec a partir de 2019.
 
Se a recessão econômica se mantiver a situação da saúde irá piorar, com Pec ou sem Pec. Em 2017, mesmo mantida a regra atual, com a queda da arrecadação a destinação de verbas obrigatórias para saúde será pior. E em 2018 ficaria ainda pior sem Pec. Com Pec garantir-se-ia o nível de 2017 corrigido pela inflação.

Por outro lado, com a continuidade do desemprego haveria a continuidade da migração dos planos privados para os serviços públicos de saúde e, em muitos lugares, esses entrarão em colapso. Hospitais públicos municipais poderão ser as primeira vítimas.

Esse é o pior dos cenários: sem pec e sem retormada do crescimento econômico. É o cenário catastrófico enunciado pelo Governo para influenciar os congressistas a aprovarem a Pec.

O cenário otimista seria a aprovação da Pec, promovendo a retomada do crescimento econômico, mas com exceção para a saúde, "furando o teto". Dentro desse cenário haveria um aumento da receita pública e os gastos com a saúde pública aumentariam na mesma proporção.

O cenário mais provável, no entanto, é da aprovação da Pec, sem exceções, e promovendo uma recuperação da economia. Que também provavelmente será lenta.

Com a melhoria da economia, impactando no aumento dos empregos formais, haveria uma redução da pressão sobre os sistemas públicos de saúde, com retomada dos planos privados.

Diante do congelamento das verbas para a saúde, como evoluirá o setor?

De uma parte haverá um grande esforço do setor, buscando apoio legislativo para verbas acima do teto. O que será permitido, mas de difícil obtenção, pois implicará em redução direta de gastos com outros setores. O legislativo será o grande campo de batalha para os remanejamentos de verbas.

De outra será necessário distribuir e gerir melhor os recursos para a saúde pública e também promover a terceirização, ainda que parcial.

(cont)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O perfil dos novatos (3)

Além dos posicionamentos pessoais a respeito da ética no exercício da função política, os novatos deverão se posicionar em relação aos temas...