terça-feira, 4 de outubro de 2016

As ruas foram às urnas

Em junho de 2013 o "povo" (na realidade a classe média, até então silenciosa) foi às ruas.
Inicialmente para contestar o aumento de tarifas dos transportes coletivos, depois ampliada para os serviços públicos no padrão FIFA e o combate à corrupção. A primeira reivindicação foi aceita, ainda que temporariamente, os demais ficaram na promessa e os movimentos se esvaziaram.
Vieram as eleições gerais de 2014 e pouco ou nada mudou. Dilma foi reeleita, Alckmin foi reeleito, Eduardo Cunha ganhou mais um mandato de deputado e na sequência foi eleito Presidente da Câmara dos Deputados. Renan  Calheiros voltou ao Senado e também foi eleito presidente da casa.

As ruas não foram às urnas.

Em 2016 o povo voltou às ruas. Dessa vez derrubou Dilma e Eduardo Cunha. Renan continua incólume, pelo menos por enquanto. Lula está na berlinda, sob risco de ser preso a qualquer momento.

Nestas eleições municipais ocorreram grandes novidades. Um candidato que se apresentou como gestor e não político, venceu em primeiro turno. Antônio Ermírio de Moras e Sílvio Santos haviam tentado antes e fracassaram. Agora Dória Jr montou no cavalo no momento certo.

Lideres dos movimentos de rua e das redes sociais se elegeram em São Paulo, Belo Horizonte e outras cidades.

A ruas, afinal foram às urnas. E agora?

O povo voltará às ruas?

E em 2018? Os novos não políticos já serão velhos políticos.

E os velhos políticos vencedores de 2016 serão vitoriosos em 2018 ? Ou serão varridos pelo povo, nas urnas?

Um comentário:

  1. Tudo vai depender da gestão dos novos políticos, que, de início, deverão ser sabotados pelo sindicalismo peleguista, por inspiração do PT combalido. Se conseguirem superar essa borrasca, chegarão a 2018 em mar sereno.

    ResponderExcluir