sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Rumos para a saúde (2)

Em situação de crise as organizações podem seguir os mesmos rumos o que - certamente - as levará ao colapso ou mudá-los, radicalmente.

Este é o desafio da saúde no Brasil, diante da perspectiva de congelamento dos gastos públicos com o setor, diante da crise econômica geral.

A mudança é possível, mas difícil. A condição primeira está na mudança de paradigmas.

Mudar o foco da saúde como medidas de atenção e remediação de doenças, para o da obtenção e manutenção de saúde das pessoas individualmente o que resulta, no conjunto, a saúde coletiva, a saúde de toda população.

Isto, em termos de gestão, significa a atenção com a efetividade, mais do que a eficiência ou eficácia.

O que mais importa é o estado de saúde da população. Ainda que não seja o principal foco politico-eleitoral, tampouco profissional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esquerda, centro ou direita? (1)

A tradicional análise política divide os partidos políticos em esquerda e direita. E parte dos políticos assume um lado. Quando não assumido...