segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Transição entre ciclos

As eleições de 2016 indicam uma transição entre a "velha" e "nova" política, com a  convivência de ambas.

Não foi apenas entre o acima e abaixo do paralelo 16. Acima (norte, nordeste e centro-norte) prevaleceu inteiramente a velha política. Abaixo do paralelo 16, duas grandes novidades: em São Paulo, os eleitores elegeram um novo prefeito que se encaixa no perfil desejado pelos manifestantes das ruas: um não político, moderno, mais autêntico.

No Rio de Janeiro, a disputa no segundo turno está entre duas opções do "velho": seja o populista, mais à direita, como o da esquerda radical.

Crivella e Russomanno representam uma nova força política, que tem por base a cultura evangélica. Uma cultura ainda não consolidada e muito dividida entre uma multiplicidade de igrejas e pastores. Mas que teria o respaldo financeiro dos dízimos.

Em São Paulo os evangélicos conseguiram aumentar o tamanho da sua bancada na Câmara Municipal, ma de diversas igrejas e diversos partidos.


Já no Rio de Janeiro, tem a possibilidade de eleger um ex-pastor. A dúvida é se seguirá, como uma trajetória, ou se será circunstancial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário