domingo, 16 de outubro de 2016

Carro com computador ou computador que se move levando pessoas ou cargas?

A inovação tecnológica colocou dentro dos automóveis a chamada automação embarcada. Substituindo os marcadores analógicos por digitais, começando a sinalizar automaticamente pequenas falhas, como portas abertas, não colocação do cinto de segurança e outros.
O motor flex é um primeiro casos bem sucedidos da internet das coisas, embora um subproduto da automação industrial: em função da octanagem do combustível (gasolina ou etanol) o computador ajusta o motor, sem necessidade de intervenção humana.
A automação embarcada foi se ampliando passando a controlar todas as funções, sem intervenção humana, buscando o objetivo máximo de se mover sem a intervenção de um motorista humano.
Não se trata de colocar na direção um robô, como já se experimentou. O próprio automóvel tem sistemas de movimentação e auto-ajuste que dispensa o motorista. Trata-se do chamado carro autônomo.
Na prática trata-se de um complexo e sofisticado computador que se move sem motorista, tem a carcaça e acomodações de um automóvel e pode transportar dentro dele pessoas ou cargas.
Não é por outro motivo que os primeiros protótipos dos carros autônomos não são das tradicionais montadoras, mas de empresas de tecnologia como a Google, Tesla e outras.
Percebendo essa transformação as montadoras estão desenvolvendo os seus novos carros, no conceito de computador que se move.
O principal avanço será dentro do conceito de carro compartilhado, que será implantado inicialmente com o motorista usuário conduzindo o carro.
Nesta fase o interessado ou usuário vai até um ponto onde estão os carros, acessa pela internet ou cartão magnético, dirige o carro até o próximo ao destino deixando o carro em outro ponto. Funcionará como hoje funciona com as bicicletas: sejam as abóboras, vermelhas ou azuis.
O maior problema, será - como em todas as alternativas - os locais de estacionamento dos veículos. Só funcionará bem se houver um grande e diversificado - em termos de locais - volume de pontos.
O segundo estágio poderá ser do carro autônomo se movimentando do estacionamento ou ponto até o usuário. A partir dai o usuário dirige o carro, para se sentir mais seguro e com controle sobre o carro. Descendo do carro, finalizando a viagem o carro autônomo irá buscar sozinho um local para estacionar. Poderá ser em via pública ou em estacionamento privado. Pela internet das coisas ele irá localizar a existência de vaga próximo de onde ele se encontra.
O terceiro estágio será de viagem completa do carro autônomo, dispensado a participação do motorista. Será a conjugação de duas evoluções tecnológicas: a dos serviços de taxi e do carro compartilhado.
Uma das principais dúvidas com relação a esses carros e serviços, será a cor da chapa, dentro do Código de Trânsito Brasileiro. Esses carros terão chapa cinza, vermelha ou terão outra cor, distinta das demais.
Uma observação adicional que trataremos em outro artigo é que esse sistema ou modelo, poderá reduzir substancialmente a frota de automóveis, mas aumentará o seu uso e o trânsito ficará ainda mais congestionado.




Nenhum comentário:

Postar um comentário