quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Uma narrativa sobre o futuro do Brasil

O efetivo futuro brasileiro não está em Brasilia. Mas acima dela (territorialmente). Enfrenta percalços, ocupa o território nacional e gera grandes riquezas, mais do que suficientes para promover a retomada do crescimento a curto prazo, como garante um futuro promissor.
Nos próximos 20 anos ou menos o agronegócio brasileiro irá gerar cerca de U$ 1 trilhão de dólares.

O agronegócio, por forças privadas, se expandiu em direção ao norte, aproveitando as condições transformadas do cerrado brasileiro, ultrapassando o paralelo 16 e buscando o escoamento da safra pelos portos do norte.

A infraestrutura é reconhecidamente insuficiente e precária, mas com todas as deficiências suportou uma produção da ordem de 200 milhões de toneladas de grãos.

Com uma ocupação sustentável do solo, de um lado, e as perspectivas de demanda mundial o Brasil pode, em menos de 15 anos, dobrar essa produção para 400 milhões de toneladas, suprir o mundo e ainda faltará comida para toda humanidade.

Trata-se de um futuro já em andamento e não apenas de sonhos ou desejos. Não um futuro previsto, mas um futuro já iniciado num passado próximo e em pleno desenvolvimento no presente.

Pouco percebido pela sociedade brasileira, seja por falta de informações, como por um conjunto de preconceitos.

O preconceito principal está no abortado projeto nacional do "Brasil potência industrial".

2 comentários:

  1. Hora, por que será que a indústria pesqueira não segue o mesmo ritmo do agronegócio, principalmente acima do paralelo 16, considerado a extensão da costa brasileira? Você pode me dizer alguns motivos? ou será que estou enganado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma boa pergunta Eduardo.
      Sempre que não temos resposta pronta, a saída é dizer: boa pergunta. Para ter tempo de organizar as ideias. Farei isso direto no blog

      Excluir

Esquerda, centro ou direita? (1)

A tradicional análise política divide os partidos políticos em esquerda e direita. E parte dos políticos assume um lado. Quando não assumido...