Pular para o conteúdo principal

A economia sofre com a crise política?

A crise política é uma crise de Brasília. Quem vai sobreviver? Quem vai assumir um Governo, sem poder.

E a economia real? Vai sofrer com essa indefinição. Com essas incertezas? 

O agronegócio está mais preocupado com as variações do preço da soja em Chicago e do dólar.

Colheu uma supersafra de soja, que ainda está em grande parte estocada, esperando por melhores preços. 

Mas o agronegócio continua se movimentando e quem ficar esperando vai ficar "vendo navios". Sem carga. E pode perder dinheiro. Vai impactar o PIB do segundo trimestre, ora no seu último mês, mas ainda com indicadores favoráveis na economia real. 

Já os que vivem na economia financeira, vão continuar sofrendo. Procurando pelas notícias negativas. E os consultores econômicos também. Passaram a viver das previsões catastróficas e agora tentam sustentar a suas pos-verdades.

Infelizmente, para eles, até as vendas internas da indústria automobilística melhoraram. 

As multinacionais do setor não estão à espera da solução da crise política. Dizem e até praticam as estratégias de longo prazo. Para quem não está "amarrado" em Brasília e em 2017, não vai ficar esperando por 2018 ou 2019. 

A preocupação com as reformas é mais subjetiva do que objetiva. Se passar tudo bem. Se não passar inteiramente, poderá passar em 2019.

O risco a ser considerado é a pretensão das atuais autoridades econômicas em aumentar os impostos para cobrir os "supostos" déficits da Previdência. 

E com Temer ou sem Temer. Com a continuidade ou não de Meirelles e sua equipe, a ameaça de aumento da carga tributária continuará.

A grande ameça que continua existindo, com Temer ou sem temer, é que o Governo queira apelar para o aumento dos tributos para pagar o "rombo" da Previdência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Políticas econômicas horizontais e verticais

As políticas públicas verticais focam partes ou setores específicos da economia, tendo como objetivo desenvolvê-los, mediantes estímulos e benefícios fiscais. São caracterizados como políticas industriais. Na realidade são políticas setoriais. A denominação industrial vem da tradução de "industry" que equivale a setor e não à indústria. É a política preferida dos estruturalistas ou agora heterodoxos, porque se tornaram minoria, contra  o domínio dos monetaristas. 

Esses defendem as chamadas políticas horizontais, com mecanismo de aplicação genérica, deixando ao mercado utilizar melhor tais condições.

Um caso típico é a política tributária. Os ortodoxos pregam formas de tributação genérica, aplicável igualmente a todos os setores da economia, com as mesmas alíquotas e regras. Pode haver diferenciação por faixas de valor, mas não por setores.

Já os estruturalistas querem a aplicação de condições diferenciadas para os setores que o Estado deseja promover e desenvolver. Essa difere…

Cisma no clube da luluzinha

Em todas as grandes (e mesmo médias) empresas dominadas pelos executivos homens, as mulheres que alcançam os postos gerenciais tendem a se relacionar entre si, formar grupos entre elas seja para trocar conversas sobre as famílias, como sobre os demais gerentes e sobre o que ocorre ou acham que ocorre na empresa. Formam uma espécie de clube da luluzinha, em contraposição aos diversos clubes dos bolinhas, que se formam em muito maior número. 

Dentro da Petrobras, uma grande empresa com as características acima citadas, com o corpo gerencial e diretivo com predominância de homens, é natural que as poucas gerentes mulheres formassem o "clube da luluzinha". Duas se destacaram e subiram aos altos postos gerenciais: Maria das Graças Foster e Venina Velosa da Fonseca. Esta última preocupada com o rumos de operações "heterodoxas" buscou apoio na colega, contando-lhe das suas preocupações e suspeitas. Ela era a confidente a quem tratou das questões de forma cifradas. Colocou …

A decadência econômica e cultural da Av Paulista

A Avenida Paulista, na cidade de São Paulo, criada como a principal via de um loteamento de alto padrão, foi sempre tomada pelo capital e tornou-se um grande símbolo do capitalismo brasileiro.
Sofreu transformações, mas sempre sob o predomínio do capitalismo.
Está sob forte ataque dos movimentos sociais anticapitalistas que a "ocupam" com as suas passeatas, muitas vezes acompanhadas pelos blackblocs que aproveitam para depredar as agências bancárias. Como símbolo de destruição do capitalismo. 

A atual gestão municipal, de esquerda, mas representando mais a classe média ideológica do que o povo, propriamente dito, também quer tomar a Avenida, combatendo outro grande símbolo da civilização capitalista ocidental: o automóvel.

Fecha a avenida para os veículos motorizados, inclusive os õnibus e a abre para a classe média e para alguns pobres, nos domingos.

A elite cultural havia eleita a Avenida Paulista e seu entorno, como o polo do cinema-arte. Para frequentá-lo nos fins de semana.