segunda-feira, 19 de junho de 2017

O auge do patrimonialismo. Será também a sua queda?

O patrimonialismo brasileiro, isto é, a captura dos poderes e recursos públicos pelos detentores do poder, em benefício próprio ou partidário, não é novo.
Mas foi amplamente expandido e institucionalizado como "modelo de governo" pelo PT. 
Para sua viabilização aceitou as facções do PMDB como sócia. Para o caso específico do "petrolão", teve que aceitar o PP como sócio, por ter sido esse o "inventor" do esquema.

A Operação Lava-Jato destroçou o PT e deu margem a um "golpe parlamentar" para tirá-lo do comando do esquema e ser assumido pela facção do Michel. O qual continuou com a espúria PPP com o grupo Friboi.

Esse, para tentar estancar o mecanismo e sobreviver, associou-se a um "golpe judicial" para retirar do poder a "facção criminosa" que nele se instalou.

Ainda que não consiga, foi um "golpe arrasador" no patrimonialismo. 

A questão agora é saber se o patrimonialismo será inteiramente extirpado da política brasileira, ou retornará mais à frente? Até fortalecido. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esquerda, centro ou direita? (1)

A tradicional análise política divide os partidos políticos em esquerda e direita. E parte dos políticos assume um lado. Quando não assumido...