quarta-feira, 19 de abril de 2017

O tempo corre depressa ou devagar?

Fez um ano que a Câmara dos Deputados aprovou a admissibilidade do impeachment de Dilma e ela foi
afastada do cargo. Transitoriamente, mas depois definitivamente pelo Senado Federal. 

Um ano sem Dilma, Presidenta. A sensação é de que o tempo passou rápido e Temer que a substituiu não teve tempo para fazer muita coisa. 
Conseguiu aprovar a Emenda Constitucional do Teto dos Gastos, a lei da terceirização, entre os projetos mais importantes e quer aprovar uma Reforma Previdenciária e outra Trabalhista. Difícil por serem impopulares, mas essenciais para a sua biografia. 
Para ele o tempo pode parecer rápido demais. O seu mandato pode expirar sem que as tenha aprovadas.
Por outro lado, ele quer que o tempo corra devagar no TSE, com as postergações sucessivas do julgamento contra a chapa Dilma-Temer que pode resultar na perda do seu mandato. 

Já para a sociedade organizada que está indignada, revoltada e afoita, que quer todos os políticos imediatamente fora da Praça dos Três Poderes, esperar pelas eleições gerais de 2018 parece muito longe. E que o tempo anda devagar.

Um comentário:

  1. Do lado da sociedade, o problema persiste: a desorientação. Estamos ainda como "Zumbis"...

    ResponderExcluir

Um bom ou mau projeto? (4) - Reindustrialização

Dentro da perspectiva de que o Brasil para se tornar um país desenvolvido precisava ter uma indústria própria. Até os anos 80 a indústria fo...