quinta-feira, 13 de abril de 2017

Sempre foi assim

A opinião publicada recebeu com perplexidade, indignação e revolta a divulgação pela televisão dos vídeos em que Marcelo Odebrecht conta, com a maior naturalidade, que o financiamento das campanhas eleitorais sempre foi com (ou pelo) Caixa Dois. Depoimentos de outros diretores do Grupo Odebrecht seguem o mesmo tom coloquial, sem emotividades, sem demonstração de arrependimento. São tratados como atos corriqueiros, usuais e normais. E eram. Apenas a sociedade, fora do círculo das relações promíscuas entre políticos e empreiteiros de obras públicas, não tinham conhecimento. Agora passaram a ter.

A lista de Fachin remonta a um passado mais remoto, alcançando José Sarney, o primeiro presidente com a redemocratização e ainda vivo. Não retrocede aos tempos da ditadura militar. Quando também havia.

Com todos os seus sucessores o processo (chame-se de modelo, esquema ou qualquer outra denominação) ocorreu, com maior ou menor conhecimento de cada Presidente. 

O PT assumiu o modelo como a principal sustentação do seu projeto nacional e de poder. 

Para implantar essa visão de um Brasil, socialmente mais justo, era preciso conquistar e manter o poder. Não por um mandato, mas por longo prazo. Pelo menos 20 anos, tempo inicialmente pretendido pelo PSDB. Ou seja, cinco mandatos sucessivos. 

Nesse prazo o PT pretendia mudar o país.

Ao perceber ou presumir que apenas o apelo social e ético não eram suficientes para a conquista do poder, incorporou o modelo dos seus adversários vitoriosos: irrigar as campanhas eleitorais com amplo uso do marketing político e muito dinheiro. Buscando-o da mesma forma que os outros: com os "empreiteiros".

E tornaram o modelo, o paradigma das relações contratuais entre o Governo, incluindo as estatais, e os construtores. 

Animado com o sucesso do modelo, através da conquista do poder com a eleição de Lula, em 2002, o partido buscou a sua ampliação para garantir uma base de sustentação no Congresso. 

O modelo quase naufragou com o "Mensalão", mas o PT e seus aliados conseguiram salvá-lo, apesar de algumas baixas importantes, nos seus quadros dirigentes. E com a colaboração daqueles, remontaram o modelo de forma mais ampla na Petrobras. Embora não tenha se limitado a ela.

Transformaram uma doença controlada numa epidemia, com ampla contaminação através dos vírus produzidos nos laboratórios das empreiteiras. 







Nenhum comentário:

Postar um comentário