terça-feira, 2 de agosto de 2016

Filê com osso

Uma das grandes tentações dos tecnocratas diante de serviços públicos rentáveis e não rentáveis é propor nas concessões o modelo "filé com osso". Ou seja, se colocam em licitação conjuntamente os rentáveis e não rentáveis. O concessionário vencedor ao assumir o serviço rentável deve operar também o não rentável.Querem adotar na privatização dos aeroportos.

É um equívoco e não dá certo. O caso mais flagrante foi o da Ói. 

O concessionário não cuida do osso. Desde o momento que assume a obrigação o seu objetivo é se livrar dele. Não investe, nada faz além das obrigações mínimas. O que faz é reduzir os custos, demitir os empregados e, se possível, reduzir a prestação dos serviços deficitários.

O tecnocrata acredita na responsabilidade social do concessionário. No mundo contemporâneo é rara a figura do concessionário, pessoa física, que comanda uma empresa. O usual é a empresa concessionária, com múltiplos acionistas investidores.

Para o investidor a concessão de serviço público é um negócio. O fato de ser um serviço público não altera a natureza básica para o investidor: uma aplicação financeira com perspectivas de retorno. 

O investidor espera e quer resultados financeiros. Os executivos, gestores da concessionária, são pressionados para atendê-lo. 

"Filé com osso"  como modelo de concessão de serviços públicos é, na prática, uma grande ilusão.
      

2 comentários:

  1. A pergunta que não quer calar é: quais seriam as opções para cuidar do osso? Como ele poderia ser gerenciado, já que supostamente a sociedade, ou pelo menos uma parte dela, precisa desses serviços?

    ResponderExcluir
  2. Por definição, o Estado. Todo o serviço de utilidade pública que não possa produzir lucro em decorrênciade sua própria natureza deve ser assumido pelo Estado.

    ResponderExcluir

O alcance da opinião publicada

A opinião publicada está muito indignada com os últimos acontecimentos políticos, em que vem sendo "derrotada" sucessivamente.  ...