terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Campanhas eleitorais sem dinheiro

A consequência futura mais importante na política brasileira do "tsunami Odebrecht" será uma campanha eleitoral de 2018, com pouco dinheiro.

Não só as doações legais das empresas ficarão restritas, como o caixa dois só poderá ser praticada em pequenos volumes. Dentro da tradicional "mala preta", mesmo que substituída por sacolas de lojas. 

Os partidos terão que priorizar os seus focos e avaliar as perspectivas de resultados. O voluntarismo levará ao desastre financeiro. As dívidas da campanha de Fernando Haddad em São Paulo, antecipam o que podem esperar os partidos que entrarem em aventuras. 

O PMDB deverá priorizar a manutenção da sua hegemonia no Congresso, abrindo mão de participar das chapas para os Executivos. A menos de pouco casos de posição altamente favorável e sem vínculos com a Operação Lava-Jato.

Quais serão as estratégias do PT e do PSDB, dentro da perspectiva - que a maioria dos políticos ainda não aceita - de que não vai haver dinheiro abundante para as campanhas. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário