domingo, 1 de janeiro de 2017

O novo funcionamento das cidades - tendências atuais

As cidades brasileiras, num futuro próximo, tenderão a funcionar de forma muito diferente, embora mantendo algumas características básicas.
A principal característica que permanecerá - apesar de todos  os problemas, as críticas e contestações - será a preferência pelo uso do carro para a mobilidade urbana. 
E não será - como supõem, ingenuamente os opositores - por lobby da indústria automobilística, mas pela preferência dos cidadãos. 
O que a cadeia produtiva automobilística está fazendo e vai fazer é se adaptar aos desejos das pessoas para manter a preferência pelo carro para a movimentação urbana.
A mais recente é eficaz inovação é o aplicativo para a chamada de carro para o transporte individual, seja taxi ou particular. 
Associada à tendência do não pertencimento, por parte dos mais jovens, a frota irá diminuir. O estoque de carros passará a ser menor, mas não se refletirá na redução da movimentação dos carros e nos congestionamentos. 
A frota será menor, mas o uso de cada carro será maior. 
No modelo atual, a frota é grande, mas a maior parte dela fica parada grande parte do dia, em estacionamentos. Seja na origem, como no destino. 
Com os aplicativos os carros rodarão mais, ficarão menos tempo parados. Estarão rodando mais, consumindo combustível, emitindo mais gases de efeito estufa e desgastando mais rapidamente. 
A renovação da frota será mais rápida o que poderá significar maior produção e maior emplacamento. Se não houver o controle dos carros destruidos ou retirados de circulação, estatisticamente, a frota irá aumentar.

Duas questões adicionais devem ser consideradas: a migração de pessoas do transporte coletivo para o automóvel, o aumento da frota de carros usados. 
4 pessoas que usam o transporte coletivo vão pagar, pela viagem, no conjunto, R$ 15,20. Se chamarem pelo aplicativo poderão fazer um trajeto de 6 a 8 km. a um custo menor. E com uma vantagem adicional: porta a porta, sem necessidade de se locomover para ou dos pontos de paradas dos ônibus ou estação de metrô. Neste caso com a agravante da sucessão de escadas, ainda que rolantes. 
A redução de preços dos transportes individuas tende da levar as pessoas a se transferir do transporte coletivo para o individual e não o contrários como deseja a maioria dos urbanistas e os "anti-carro". 

Com o desgaste maior e mais rápido dos carros associados aos aplicativos, um mercado de usados, com preços mais baixos poderá incentivar a compra desses, mantendo a frota elevada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O perfil dos novatos (3)

Além dos posicionamentos pessoais a respeito da ética no exercício da função política, os novatos deverão se posicionar em relação aos temas...