quarta-feira, 30 de março de 2016

A agonia de Dilma nas mãos de Renan

Dilma está tentando uma última cartada, nesta fase, para evitar a aprovação do processo de impeachment na Câmara dos Deputados, que está correndo a alta velocidade, já com data marcada para a decisão final: 17 de abril. 

A partir dai o processo vai ao Senado, com duas etapas: a primeira até a decisão do plenário com maioria simples dos presentes (21 votos) que se aprovada determina o afastamento da Presidente por 180 dias. O julgamento não tem prazo definido podendo se prolongar indefinidamente, permitindo até que a Presidente retorne ao cargo após os 180 dias.

O que a Presidente tem a oferecer aos congressistas cooptáveis é um Ministério que pode durar apenas 30 dias. Ou mais, dependendo de Renan Calheiros. 

Quem irá aceitar, esse emprego temporário e precário,  tendo como ônus uma imagem negativa que pode afetar as suas pretensões de reeleição? 

E que motivações ou interesses teria Renan Calheiros para postergar o processo e prolongar a agonia de Dilma?

Seria o caso de desligar os aparelhos?

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário