terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

O desânimo substitui a falta de confiança

A crise econômica de 2015 foi fortemente afetada pela falta de confiança por parte dos agentes econômicos, tanto os produtores, os investidores, como os consumidores. Foi a tônica do Governo, propondo o ajuste fiscal como o medicamento principal para restabelecer um ambiente de confiança e, com isso, retomar o crescimento da economia.

Por diversas razões, mas como a principal a crise política, o ajuste fiscal só foi feito parcialmente. E a confiança não foi restabelecida.

O risco do impeachment da Presidente ficou reduzido e a sociedade passou a aceitar como a probabilidade maior a permanência da Presidente até 2018.

A desconfiança foi substituída pelo desânimo. Não se acredita que haja forças do Governo para a reação. Não há alternativas a não ser paciência.

Com um governo presidencialista, sem Presidente, o Governo não terá condições de investir, de tomar iniciativas. Eventual reação da economia dependerá inteiramente do setor privado. Que reagirá pela necessidade de sobrevivência. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O perfil dos novatos (2)

Os novatos estão fascinados com o suposto poder da rede social e se concentrarão no meio virtual.  Poucos se dedicarão aos tradicionais mét...